Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
08 de Maio de 2013, 14h25

Brasileiro é eleito o novo diretor-geral da Organização Mundial do Comércio

Roberto Carvalho de Azevêdo venceu o mexicano Herminio Blanco e tem a missão de fazer avançar as negociações da Rodada de Doha

Roberto Carvalho de Azevêdo venceu o mexicano Herminio Blanco e tem a missão de fazer avançar as negociações da Rodada de Doha

Da Redação

Roberto Azevêdo, novo diretor-geral da OMC

Nesta terça-feira, 7, a OMC (Organização Mundial de Comércio) elegeu o seu novo diretor-geral. O eleito foi o embaixador brasileiro Roberto Carvalho de Azevêdo. O agora diretor eleito da OMC disputou uma eleição bastante disputada contra o mexicano Herminio Blanco. O número oficial de votos do brasileiro ainda não foi divulgado. Azevêdo assume o cargo e substitui o francês Pascal Lamy no dia 31 de agosto deste ano.

Representante do Brasil na OMC desde 2008, Azevêdo contou com o apoio dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), de países de língua portuguesa, e de diversos países da América Latina, da Ásia e da África.

De acordo com o ministro de Relações Exteriores, Antonio Patriota, a eleição do brasileiro para a direção da OMC representa a existência de uma “ordem internacional  em transformação”. Para ele, a vitória de Azevêdo é mais uma evidência de que os países em desenvolvimento avançam nas suas conquistas.“É um resultado muito importante que reflete uma ordem internacional em transformação, que é de países emergentes que demonstram uma liderança”, afirmou Patriota.

O ministro ainda destacou o papel de Azevêdo na possível retomada das negociações da Rodada de Doha, cujo objetivo é constituir um acordo amplo de livre comércio. O agora diretor eleito da OMC foi chefe do Departamento Econômico do Ministério das Relações Exteriores e da delegação brasileira na Rodada de Doha. “É com esse espírito que ele assume as novas funções, na importância de se avançar na Rodada Doha”, disse Patriota.

Já para o ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, a vitória de Azevêdo demonstra que o Brasil “mudou de posição” na correlação de forças no cenário internacional. “Efetivamente o Brasil vem se firmando no cenário mundial de primeiro nível e essa eleição vai nos estimular a dar continuidade neste caminho”, disse. Carvalho ainda afirmou que a eleição do brasileiro deve-se aos seus méritos profissionais, mas acrescentou que ““sem um trabalho forte do Itamaraty e uma referência de base do Brasil ele não teria sido eleito”.

Para Marina Valle, especialista em comércio exterior e ex-coordenadora-geral do Departamento de Defesa Comercial do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, “é muito importante o significado para o Brasil do embaixador Azevêdo [na direção-geral da OMC]”. “É o primeiro latino-americano, brasileiro, e que tem uma longa trajetória nas negociações comerciais internacionais”, disse. “O Brasil tem um perfil exportador, mas também tem um viés importador. A posição brasileira, nas negociações, sempre foi de equilíbrio, o que garantiu ao país a credibilidade que tem hoje”, analisa a especialista em comércio exterior.

Com informações da Agência Brasil.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum