Brasileiro e outros cinco turistas são presos por destruir e defecar em sítio arqueológico de Machu Picchu

Quatro homens e duas mulheres invadiram o setor do mirante do Templo do Sol durante a madrugada do último domingo e teriam destruído artefatos valiosos. Além do brasileiro, havia também 2 argentinos, 2 chilenos e uma francesa

O Departamento Descentralizado de Cultura do Peru denunciou nesta segunda-feira (13) seis turistas estrangeiros (4 homens e 2 mulheres) que foram flagrados após invadirem o Parque Arqueológico Nacional de Machu Picchu.

Os turistas eram 2 de nacionalidade argentina, outros 2 de nacionalidade chilena, também havia um brasileiro e uma francesa. Até o momento, não foi revelada a identidade de nenhum dos acusados.

Segundo o informe, os turistas foram encontrados por volta das 5h50 de domingo (12) no setor do mirante do Templo do Sol. Eles teriam entrado ilegalmente no local durante a madrugada, cometendo crime de atentado contra o patrimônio cultural da nação. Também foi informado que no local foi encontrado com alguns destroços, incluindo alguns artefatos valiosos que foram completamente destruídos. O comunicado também diz que foi encontrado material fecal dos turistas em meio aos destroços.

O diretor do Parque Arqueológico Nacional de Machu Picchu, José Bastante, pediu que as investigações “sejam feitas o mais rápido possível, para determinar as responsabilidades dos infratores e as sanções de cada um deles”.

O Departamento de Cultura de Cusco lançou um comunicado pedindo aos visitantes, peruanos ou estrangeiros, que respeitem e ajudem a proteger o patrimônio arqueológico de Machu Picchu e que estuda solicitar das autoridades do país um aumento das penas para os que cometam ações como as que realizaram os seis turistas presos neste fim de semana.

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta.

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR