Fórumcast #20
21 de março de 2016, 18h44

Cantora Serena Assumpção aliviou dores do câncer com tratamento à base de maconha

A filha de Itamar Assumpção faleceu em decorrência de um câncer na semana passada mas, de acordo com sua irmã, Anelis Assumpção, o tratamento com óleo de cannabis, ainda proibido no Brasil, foi o mais efetivo para o alívio das dores, enjoos e incômodos provocados pela doença e pela quimioterapia; Anvisa liberou nesta segunda-feira a prescrição e importação de medicamentos com canabidiol

Por Redação

Em um texto emocionado publicado na sua página do Facebook, a cantora Anelis Assumpção revelou que sua irmã, a também cantora Serena Assumpção, fez um tratamento a base de maconha antes de falecer em decorrência de um câncer na última quarta-feira (16).

De acordo com Anelis, de todas os tratamentos alternativos pesquisados pela família, o que tem como base o óleo de cannabis foi o mais efetivo para o alívio de dores, enjoos e incômodos causados pela doença e pela quimioterapia.

“Infelizmente a doença avançou violentamente, mas eu sei que foi muito importante pra ela não sentir dor, parar de vomitar, conseguir comer – que era uma das suas atividades preferidas – dormir tranquila”, escreveu a artista, que ainda fez críticas aos “boicotes” que esse tipo de pesquisa sofre por parte de alguns setores.

Veja também:  Padre que ministra curso sobre maconha medicinal critica Osmar Terra: "Não tem base científica"

“A cura não lhe foi possível, mas está entre os benefícios ofertados pela maconha, sim. E muita gente se curou. Fato de difícil comprovação por conta dos boicotes que impedem que pesquisas comprovadas sejam de conhecimento público”, analisou.

desde o começo da doença da minha irmã, pesquisamos muitas alternativas e uma delas, e talvez a mais eficaz na medida do…

Posted by Anelis Assumpção on Friday, 18 March 2016

O tipo de tratamento citado por Anelis, apesar de toda a eficácia citada em inúmeros casos, diferentemente de outros lugares do mundo, continua proibido no Brasil. Há casos, inclusive, de pessoas que chegaram a ser presas por usar a maconha como base para algum tratamento medicinal.

A única abertura com relação à maconha no Brasil está relacionada ao canabidiol e tetrahidrocannabinol (THC), substâncias encontradas na planta da cannabis sativa. Em janeiro de 2015, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) retirou o canabidiol da lista de substâncias proibidas e o classificou como medicamento de uso controlado. Nesta segunda-feira (21), o órgão autorizou o publicou no Diário Oficial da União a liberação para precrição e importação de medicamentos com a substância.

Veja também:  Projeto que obriga o agressor a ressarcir SUS é aprovado na Câmara

“Muitos desses produtos não são registrados como medicamentos em seus países de origem, não tendo sido, portanto, avaliados por qualquer autoridade sanitária competente. Assim sendo, não é possível garantir a dosagem adequada e a ausência de contaminantes e tampouco prever os possíveis efeitos adversos, o que implica riscos imprevisíveis para a saúde dos pacientes que os utilizarão”, ponderou, em nota, a agência.

Leia também:

Não compro, planto


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum