questaodegenero

09 de setembro de 2015, 10h26

Capitolina e o poder das garotas

Esqueça as dicas quentes sobre como conquistar garotos ou as regras de roupas e maquiagens para impressionar rapazes; na revista adolescente Capitolina, os assuntos são importantes e fazem real diferença na vida das garotas. Matérias sobre sexualidade sem tabus, conteúdo sem machismo e discussões sobre relacionamentos abusivos dividem o espaço com colunas sobre jogos, cinema e moda para todos os tipos de corpos. E o sucesso é tão grande que se transformou em livro!

Algumas das autoras no lançamento na Bienal do Livro do Rio de Janeiro (Imagem: Reprodução / Facebook)

Algumas das autoras no lançamento na Bienal do Livro do Rio de Janeiro (Imagem: Reprodução / Facebook)

Em seu primeiro volume, “Capitolina – O poder das garotas” traz muitos textos que devem ser lidos não somente por meninas adolescentes, mas também por seus pais e responsáveis, amigos e por toda a família. Nele, questões como identidade de gênero e racismo são abordadas de maneira didática, entre páginas onde as leitoras são estimuladas a colorir, escrever e também exercer a própria criatividade.

Além do conteúdo relevante, o livro da Capitolina chama atenção pela diversidade de jovens que assinam os textos e ilustrações. Garotas de idades e contextos diferentes e de várias regiões do país se juntam para produzir um livro que não subestima a inteligência das adolescentes e nem ensina que a vida de uma garota deve girar em torno do gênero masculino. Ao contrario: quem lê Capitolina sai com a certeza de que seu valor e lugar no mundo jamais devem estar condicionados à aprovação dos outros.

O Feminismo também vem de forma acessível, aproveitando a onda de espaço que tem sido aberto na mídia, mas não deixando que a complexidade dos temas se perca. O livro é uma boa alternativa para introduzir a luta organizada e coletiva das mulheres em aulas e rodas de conversa. Para os pais, uma importante oportunidade de ensinar a suas filhas que garotas podem ser e fazer tudo o que quiserem e que é possível identificar e combater o machismo e a violência.

Acima de tudo, o livro, assim como o site, traz um exercício de companheirismo e apoio mútuo entre garotas. Sem competições, clichês ou estereótipos sobre meninas. A mensagem principal é evidente: juntas, garotas e mulheres podem transformar suas vidas e também o mundo – algo que toda adolescente merece ler!


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum