segunda-feira, 26 out 2020
Publicidade

Carla Zambelli mostra mensagens e diz que Moro queria ser indicado ao STF

A deputada Carla Zambelli mostrou à CNN novos prints de conversas dela com o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, para tentar justificar as mensagens veiculadas por ele, nas quais ela se oferecia para intermediar uma negociação com o presidente Jair Bolsonaro para uma vaga no STF.

“A gente vê aqui que eu estou desprovida de má intenção e eu gostaria muito de saber se ele já estava fazendo prints [da tela] porque essa frase é muito calculada e parece que foi friamente colocada ali”, disse a parlamentar sobre a resposta do ministro: “Prezada, não estou à venda”.

“Não é isso que se responde quando uma pessoa diz que quer te ajuda a ir ao STF, quando diz ‘nós queremos o senhor no STF’”, continuou. “A resposta dele não combina com nada do que a gente está conversando. Parece que foi tudo muito mal intencionado da parte dele, querendo achar algo para provar depois.”

Zambelli disse que não é novidade o ex-ministro querer ir para o Supremo. “Tanto é que a imprensa já falou sobre isso, no Twitter já teve Trending Topic falando ‘Moro no STF’”, disse ela.

“Ou seja, não é algo que eu trouxe do nada. É uma conversa que se tem em Brasília desde que o ministro entrou [no governo]. Ontem ele deixou claro que o presidente não prometeu essa vaga para ele, mas é claro, todo mundo esperava que o ministro Moro, que foi o juiz da Lava Jato, em algum momento fosse pro Supremo”, afirmou Carla à CNN.

Zambelli ainda contou que estava tentando mediar a conversa pra evitar conflitos entre os dois. E diz acreditar que por o presidente ser muito “aberto e espontâneo” e o ex-ministro ser “reservado e tímido” isso dificultava o relacionamento profissional deles.

“Quando você trabalha intimamente com alguém, que tem que confiar, tem que ser mútuo. Eu acho que faltava uma conversa entre os dois, para parar com os problemas como esse que vocês viram ontem”, apontou ela, se referindo às revelações de sexta.

Zambelli ainda diz ter se sentido muito traída quando Moro publicou parte do diálogo dos dois por meio do WhatsApp, já que se considerava um “cão de guarda” na defesa de Moro.

Mensagens divulgadas a CNN por Carla Zambelli/ Reprodução


Clara Averbuck
Clara Averbuck
Escritora e jornalista, autora de 9 livros.