Carne mais cara e prato vazio: IPCA dispara e inflação fica acima da meta estabelecida pelo Banco Central

Dados do IBGE também indicam que a meta do governo para a inflação já não pode mais ser cumprida

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta quarta-feira (9) o Índice de Preços ao Consumidor Amplo), a inflação oficial do país, que fechou em 0,83% em maio. Essa é a maior taxa para o mês em 25 anos, quando atingiu 1,22%.

Dessa maneira, a inflação fica acima da meta estipulada pelo Banco Central (3,75%), pois, o indicador acumula alta de 3,22% no ano e de 8,06% nos últimos 12 meses.

Os nove grupos de produtos e serviços apresentaram alta em maio. O maior impacto (0,28 p.p) e a maior variação (1,78%) vieram da habitação, que disparou em relação a abril. Na sequência vem o setor de transportes, que teve alta de 1,15% em maio, após apresentar recuo em abril. Além disso, no setor de transportes o maior impacto veio da gasolina com alta de 2,87%.

O grupo de alimentação e bebidas permaneceu estável, com 0,44%, próximo do mês anterior que registrou 0,40%. Apesar disso, o preço da carne segue em alta e registou 2,24%, acumulando 38% de variação nos últimos meses.

A alimentação fora do domicílio também disparou com alta de 0,98%. Contribuíram para as altas o lanche (2,10%) e da refeição (0,63%).

Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).