Caso Miguel repercute nas redes e terá ato em frente ao prédio de onde caiu o menino

A Polícia Civil de Pernambuco autuou a primeira-dama da cidade de Tamandaré, que negligenciou o menino, por homicídio culposo

Um ato acontecerá na próxima sexta (5) pedindo justiça para o menino Miguel, de 5 anos, que morreu após ser negligenciado por Sari Gaspar Corte Real, empregadora de sua mãe, Mirtes Renata de Souza.

Após investigação, a Polícia Civil de Pernambuco autuou a mulher, que é primeira-dama da cidade de Tamandaré, por homicídio culposo ao permitir que a criança subisse no elevador do prédio desacompanhado.

Em entrevista à TV Globo, Mirtes lamentou a falta de responsabilidade da patroa. “Ela (Sari) confiava os filhos dela a mim e à minha mãe. No momento em que confiei meu filho a ela, infelizmente ela não teve paciência para cuidar, para pegar ele pelo braço e tirar [do elevador]. Se fossem os filhos dela, eu tiraria”, declarou a mãe.

De acordo com a ativista Gabi Oliveira, que está em contato com a família, eles agradeceram o suporte e disseram que é importante saber que não estão sozinhos.

O caso teve uma enorme repercussão. Artistas, ativistas e internautas em geral ficaram revoltados com o descaso que levou à morte do menino, justo na semana em que a discussão esteve em pauta no país e no mundo.

Avatar de Clara Averbuck

Clara Averbuck

Escritora e jornalista, autora de 9 livros.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR