Fórumcast #19
11 de março de 2014, 11h22

Cem milhões de mulheres jovens não conseguem ler sequer uma frase, segundo Unesco

A organização afirma que a igualdade de gênero precisa estar no centro das novas políticas educacionais em todo o mundo

A organização afirma que a igualdade de gênero precisa estar no centro das novas políticas educacionais em todo o mundo

Por Redação

De acordo com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), 175 milhões de jovens em países de baixa renda são incapazes de ler uma frase sequer, e, destes, 100 milhões são mulheres – o equivalente a 61%. A informação foi divulgada pela entidade por meio de comunicado na última segunda-feira (10). Para a entidade, isso evidencia o fato de que a igualdade de gênero precisa ser colocada como prioridade das novas políticas educacionais em todo mundo para que todas as crianças tenham as mesmas oportunidades de aprender.

Ainda segundo a organização, embora tenham ocorrido avanços, apenas 60% dos países atingiram a paridade no ensino primário e 38% o fizeram também no ensino secundário. Nos de baixa renda, os números são piores: em nível primário, somente 20% alcançaram a igualdade entre os sexos, e em nível secundário, a taxa cai para 10%.

A situação é mais crítica nas nações árabes, onde mulheres representam 60% da população que não frequenta a escola. No sul e o oeste da Ásia, que vêm em seguida, a proporção é de 57%. Na África Subsaariana, é de 54%.

Veja também:  Assessor de Weintraub assumirá cargo de diretor-geral no Cefet do Rio

“É simplesmente intolerável que as meninas estejam sendo deixadas para trás. Para garotas pobres, a educação é um dos caminhos mais importantes para um futuro melhor, pois as ajuda a escapar de um círculo vicioso de pobreza”, ressaltou no comunicado Irina Bokova, diretora-geral da Unesco.

*Foto: DFID – UK Department for International Development)


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum