Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
08 de fevereiro de 2012, 19h14

Chile: com 74% de aprovação, Bachelet tenta fazer sucessor

Há um ano, nem seus apoiadores mais entusiastas arriscariam o cenário acima: em 2008 Bachelet tinha aprovação mediana e via o megaempresário Sebastián Piñera, candidato presidencial direitista que ela derrotou em 2006, tomar ampla dianteira nas pesquisas.

A virada de roteiro veio com a crise econômica, que redimiu a presidente acusada, à direita e à esquerda, de falta de ousadia. Ora por não promover bastante crescimento, ora por não aplicar a contento o dinheiro gerado pela alta do cobre, metade das exportações do país, na redução da desigualdade ou em reformas na educação.

Foi então que a austera política econômica de Bachelet deu o troco. O financiamento de um pacote de estímulo, de cerca de 3% do PIB, veio de parte dos US$ 21 bilhões gerados pelo cobre e poupados em um fundo soberano no exterior. Bachelet lançou planos de obras, distribuiu subsídios, reduziu impostos e reforçou também programas de transferência de renda.

O governo acelerou ainda a incorporação de idosos pobres na Previdência "solidária", parte da reforma do sistema, prioritária para Bachelet, destinada a reverter excessos da reforma ultraliberal feita por Augusto Pinochet (1973-1990).

A aprovação da gestão tornou mais frequente no discurso do oposicionista Piñera a promessa de que ele vai "manter e ampliar" a "rede de proteção social" de Bachelet, enquanto sumiram ataques diretos a ela, num dilema parecido ao da oposição ante Luiz Inácio Lula da Silva e o Bolsa Família.

Renovação O candidato direitista, de 59 anos, segue liderando as pesquisas. Mas em junho, pela primeira vez, ele empatou tecnicamente com o nome da aliança governista, a Concertação, na simulação de segundo turno. O cientista político Patrício Navia, professor da Universidade de Nova York, diz que a popularidade da presidente ajudou nesse resultado — mas que também influiu o estoque de votos centro-esquerdistas na tradicional polarização do eleitorado chileno.

Para forçar que a balança penda para seu lado, Piñera apela com um argumento difícil de rebater: o de que é hora de mudar após 20 anos de poder da Concertação, que tem no Partido Socialista (PS), de Bachelet, e na Democracia Cristã (DC), centrista, seus pilares.

A mensagem tem mais eco diante da escolha dos governistas para a disputa: o senador e ex-presidente (1994-2000) Eduardo Frei, de 67 anos, da DC. Frei, mais conservador que Bachelet em termos econômicos e comportamentais, como o aborto, ganhou a candidatura diante da desistência em disputar as primárias do ex-presidente Ricardo Lagos (PS), e do secretário-geral da OEA, José Miguel Insulza.

Com informações do Vermelho.org.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum

#tags