Fórumcast #20
07 de novembro de 2016, 18h25

Cientistas e acadêmicos divulgam moção de repúdio à PEC 241

“Consideramos que qualquer país que ambicione o desenvolvimento soberano e auto-sustentável deve priorizar os investimentos em ciência e tecnologia e educação – e não o rentismo e o ajuste fiscal em detrimento de políticas sociais”, diz o texto assinado por mais de 50 professores de diferentes universidades do país. Leia

Por Redação

No último dia 27 de outubro foi realizada, em Caxambu (MG), a 40ª Assembleia Geral Ordinária da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais (ANPOCS). O encontro de acadêmicos de diferentes universidades e correntes criou um ambiente favorável para a criação, durante o evento, da Rede Latino-americanista e Caribeanista da ANPOCS, que divulgou o seu primeiro documento: uma moção de repúdio à Proposta de Emenda à Constituição 241 (PEC 241).

Aprovada na Câmara dos Deputados, a proposta, que no Senado Federal será votada como PEC 55, congela os gastos públicos em diversas áreas, como saúde e educação, por vinte anos.

Para os acadêmicos e intelectuais que assinam a moção de repúdio, a PEC “marginaliza” as novas gerações da “modernidade e do processo civilizatório”.

“Consideramos que qualquer país que ambicione o desenvolvimento soberano e auto-sustentável deve priorizar os investimentos em ciência e tecnologia e educação – e não o rentismo e o ajuste fiscal em detrimento de políticas sociais”, escreveram.

Veja também:  Leandro Demori dá invertida em Diogo Mainardi e desmoraliza jornalismo de O Antagonista

Confira a íntegra do documento.

MOÇÃO DE REPÚDIO À PEC 241/PEC 55

Nós, pesquisadoras e pesquisadores, professores e estudantes, integrantes da Rede Latino-americanista e Caribeanista da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais (criada em 25 de outubro de 2016, durante seu 40° Encontro Anual), vimos manifestar nosso repúdio à PEC 241 (agora PEC 55 no Senado Federal) e nossa apreensão com os efeitos de sua aprovação sobre políticas sociais no Brasil.

Consideramos que qualquer país que ambicione o desenvolvimento soberano e auto-sustentável deve priorizar os investimentos em ciência e tecnologia e educação – e não o rentismo e o ajuste fiscal em detrimento de políticas sociais.

É inaceitável que se negue o futuro à juventude e às novas gerações de brasileiros, marginalizando-as da modernidade e do processo civilizatório impulsionado pela revolução científico-tecnológica.

A PEC 241/PEC 55 ameaça a integração do Brasil à América Latina e ao BRICS, e compromete a projeção mundial que o país vem alcançando nos últimos anos como ator global.

Por isso, somamos nossas vozes às dos movimentos sociais que se lançam contra esse ato arbitrário e anti-popular.

40a Assembléia Geral Ordinária da ANPOCS

Caxambú, 27 de Outubro de 2016

Signatários

Profa. Adélia Miglievich (UFES)

Prof. Adrian Gurza Lavalle (Ciência Política/USP)

Prof. Afrânio Mendes Catani (Educação/USP)

Prof. André Oda (UNIFESSPA)

Profa. Anete Leal Ivo (CRH/UFBA)

Prof. Angelo Cavalcante (Sociologia/UEG)

Prof. Antonio David Cattani (Sociologia/UFRGS)

Prof. Antonio Eduardo Alves de Oliveira (PPGCS/UFRB)

Arquimedes Belo (Doutorando, PPG/CEPPAC – UnB)

Arthemísia Santiago (Instituto de Estudos da América Latina/UFPE)

Beatriz Lourenço (Mestranda, Ciência Política/UFF)

Bernardo Salgado Rodrigues (PEPI/UFRJ)

Prof. Breno Bringel (IESP/UERJ)

Camila Gonçalves de Mário (NEPPs/UNESP)

Prof. Carlos Alberto Steil (UFRGS)

Prof. Carlos Eduardo Martins (PEPI/UFRJ)

Profa. Caroline Cotta de Mello Freitas (ESP)

Caroline Araújo Bordalo (CEFET-RJ)

Prof. César Barreira (UFC; CLACSO)

Danilla Aguiar (Doutoranda, Ciências Sociais/UFCG)

Profa. Débora Messenberg (SOL/UnB)

Edélcio Vignas (Doutorando, PPG/CEPPAC)

Edemilson Paraná (Doutorando,Sociologia /UnB)

Eduardo Saad Diniz (Direito/USP-Ribeirão Preto)

Profa. Enara Echart (Grisul/UNIRIO)

Fábio de Oliveira Maldonado (Mestrando, PROLAM/USP)

Prof. Fabrício Pereira da Silva (CP/UNIRIO)

Fabrício Souza (Mestrando, PPGCS/UFRRJ)

Prof. Felipe Comunello (UFRGS)

Prof. Fernando Correa Prado (Economia/UNILA)

Prof. Fernando Vieira (IUPPERJ/Cândido Mendes)

Profa. Flávia Lessa de Barros (CEPPAC/UnB)

Prof. Fernando Correa Prado (Economia/UNILA)

Gabriela de Oliveira (Pós-Doutoranda, Núcleo de Estudos em Políticas Públicas/USP)

Prof. Gonzalo Adrian Rojas (PPG-Ciências Sociais / UFCG)

Prof. Gustavo Lins Ribeiro (DAN/UnB)

Gustavo Louis Henrique Pinto (Recém-Doutor, UFSCar)

Profa. Heloísa Gimenez (UNILA)

Prof. Igor Fuser (UFABC)

Profa. Irlys Barreira (UFC)

Isamara Martins (Mestre SOL/UnB; GDF)

Janaína Freire dos Santos (Doutoranda, Ciências Sociais/UFCG)

Profa. Joana Coutinho (Sociologia/UFMA)

Prof. Joanildo Burity (IAL/UFPE; FUNDAJ)

Prof. João Feres Jr. (IESP/UFRJ)

Prof. José Maurício Domingues (IESP/UERJ)

Profa. Lília Tavolaro (CEPPAC/UnB)

Profa. Luciana Aliga (PPG Ciência Política e Rel. Internacionais/UFPB)

Profa. Luciana Ballestrin (PPG-Ciência Política/UFPEL)

Prof. Márcio Malta (Ciência Política/UFF)

Maria Luiza Muniz (Doutoranda, LEHC/UFRJ)

Profa. Maria Cristina Cacciamali (PROLAM/USP)

Prof. Marcos Costa Lima (UFPE)

Marcelle Vaz (Doutoranda, PPG/CEPPAC – UnB)

Prof. Marcos Antonio Pedlowski (LEEA/UENF)

Mariana Steffen (Mestranda, UFRGS)

Moisés Silva (Mestre, Educação/UFF)

Nathalie Reis Itaboraí (Pós-doutoranda, IESP/UERJ; UFJF)

Profa. Paola Giraldo Herrera (FECAMPO/UNIFESPA)

Prof. Paulo César Ribeiro (RI/UNESA)

Prof. Paulo Henrique Martins (IAL/UFPE)

Profa. Priscila Medeiros (UFSCAR)

Prof. Raphael Seabra (UniCEUB)

Romy Martínez (Mestranda, PROLAM-USP)

Ronaldo Santos (Doutorando, PPG/CEPPAC – UnB)

Profa. Ruth Nadia (Sociologia/UFBA)

Prof. Sedi Hirano (Sociologia/USP)

Prof. Sergio Tavolaro (SOL/UnB)

Profa. Vera Lúcia Navarro (USP – Ribeirão Preto)

Prof. Wagner Iglecias (PROLAM-USP)

Prof. Wagner Romão (DCP/UNICAMP)

Wanderley dos Reis Junior (Estudante, ICAL/UNILA)


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum