Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
28 de abril de 2016, 20h42

Ciro acredita em “milagre” se o povo se mobilizar e “cercar o Senado” para barrar o impeachment

Em conversa exclusiva com a Fórum, o ex-ministro fez críticas a mídia tradicional, chamou Eduardo Cunha (PMDB-RJ) de “gângster”, falou sobre sua possível candidatura à presidência em 2018 e alertou para a necessidade de uma renovação da esquerda brasileira. “O que está acontecendo [o processo de impeachment] é basicamente um assalto aos interesses da população mais pobre”. Assista

Por Ivan Longo

Entre a entrevista coletiva e a palestra para estudantes da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), na noite desta quinta-feira (28), o ex-ministro da Fazenda, Ciro Gomes (PDT), falou com exclusividade à Fórum [vídeo completo ao final da matéria] sobre o atual momento político do país. Crítico ao governo de Dilma Rousseff mas opositor ferrenho do processo de impeachment, que ele considera um ‘golpe’, o ex-governador do Ceará alertou para uma necessidade de renovação da esquerda brasileira e de um “mea culpa” do PT.

“Não acho razoável que o PT não faça pelo menos um mea culpa e não ceda a oportunidade a outros quadros. Não precisa ser eu, mas é preciso renovar a política brasileira”, disse Ciro que, por hora, é o pré-candidato à presidência em 2018 pelo PDT. Apesar da distância com 2018, o político revelou que sua pré-candidatura se dá, justamente, pela “ameaça” que passa a democracia brasileira.

“Eu aceitei a convocação do meu partido para assumir uma pré-candidatura por que nós consideramos que, neste momento, a democracia brasileira está sendo violentada, está sendo ameaçada na sua sanidade. Que a gente se organize, que a gente organize movimentos de opinião, referências, de gente que tenha algo a dar para a população. E eu tenho uma experiência e não me sinto autorizado a faltar ao Brasil nem ao nosso povo nesse momento”, explicou o ex-ministro que em 2002 apoiou Lula no segundo turno das eleições.

Para Ciro, a esquerda brasileira saberá, sim, se renovar, pois seus valores são “universais e perenes” e sempre haverá, por parte dos esquerdistas, “o imperativo moral para superar as desigualdades, a violência, o desamor e a infelicidade consumista”, que, segundo ele, são componentes que colocam o Brasil em uma “tragédia coletiva”.

“Especialmente com componentes caricatos, se não trágicos, como vimos no parlamento presidido por um gângster”, completou, repetindo a fala do deputado Glauber Braga (PSOL-RJ), em referência a Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Ciente do alto risco que existe do Senado aprovar o processo de impeachment da presidenta Dilma, Ciro acredita, contudo, em um “milagre” para barrar o afastamento que, segundo ele, viria da mobilização popular, já que crê que “o que está acontecendo é um assalto aos interesses da população mais pobre”.

“Estou lutando para que esse tragédia [o impeachment] não aconteça. Evidentemente sou vivido, sou experiente, sei qual é a probabilidade hoje, mas acho que é possível que aconteça um milagre, e esse milagare é a mobilização popular. O povão, nosso povo mais pobre, não sabe ainda a tragédia que o ameaça. E se a gente conseguir, mesmo perfurando a interdição da grande mídia, conseguir que nosso povo acorde, e perceba que o que está acontecendo é basicamente um assalto aos interesses da população mais pobre, e esse povo vier para rua e cercar o Senado, quem sabe esse milagre não aconteça”.

Assista.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum