Com atraso de 23 horas, Ministério da Saúde conclui distribuição das vacinas aos estados

General Eduardo Pazuello havia prometido entrega até as 14h de segunda (18), mas a própria pasta reconheceu que processo terminou na manhã de terça (19), após problemas de logística

Com atraso de praticamente 23 horas, o Ministério da Saúde concluiu, na manhã desta terça-feira (19), a entrega das doses da Coronavac, vacina contra a Covid-19, a todos os estados. O general da ativa Eduardo Pazuello, ministro da Saúde, havia prometido que o produto seria entregue até as 14h de segunda-feira (18) em todas as unidades da Federação.

Rondônia foi o último estado a receber as doses, na manhã desta terça-feira. O próprio ministério só deu conta do fim do processo de distribuição em publicação no Twitter às 13h desta terça-feira – ou seja, 23 horas após a promessa da pasta.

Problemas de “logística”, área na qual o general Pazuello era aclamado como especialista, atrasaram a distribuição. Os problemas já começaram a aparecer na segunda-feira. Como foram importadas pelo Instituto Butantan, que fica em São Paulo, as doses seriam transportadas a partir desse estado.


Chegadas com atraso

Para o Rio de Janeiro, que fica a menos de uma hora de avião de São Paulo, as doses começaram a chegar somente pouco antes das 17h da segunda. E isso porque foram de jatinho particular.

No Pará, as vacinas só chegaram na madrugada, fato que foi criticado pelo governador Helder Barbalho (MDB) em vídeo publicado nas redes onde afirma que a previsão original de entrega era até as 15h30 dessa segunda-feira (18). À 1h49 desta terça, ele publicou vídeo com a chegada da carga.

O Rio Grande do Norte foi outro estado em que as doses só chegaram de madrugada. A governadora Fátima Bezerra (PT) publicou vídeo em suas redes sociais com o desembarque das vacinas.

Avatar de Fabíola Salani

Fabíola Salani

Graduada em Jornalismo pela Universidade Metodista de São Paulo. Trabalhou por mais de 20 anos na Folha de S. Paulo e no Metro Jornal, cobrindo cidades, economia, mobilidade, meio ambiente e política.

Em 2021, escolha a Fórum.

Fazer jornalismo comprometido com os direitos humanos e uma perspectiva de justiça social exige apoio dos leitores. Porque se depender do mercado e da publicidade oficial de governos liberais esses projetos serão eliminados. Eles têm lado e sabem muito bem quem devem apoiar.

Por isso, neste momento que você está renovando suas escolhas e está pensando em qual site apoiar, que tal escolher a Fórum?

Se fizer isso, além de garantir tranquilidade para o nosso trabalho, você terá descontos de no mínimo 50% nos cursos que já temos em nossa plataforma do Fórum Educação.

Renato Rovai
Editor da Revista Fórum

APOIAR