Fórumcast #20
30 de março de 2015, 15h21

Conectados, ou um réquiem para a lan house

Minidoc mostra o declínio das lan houses, da febre nos anos 2000 até a persistência atual em alguns lugares da periferia

Minidoc mostra o declínio das lan houses, da febre nos anos 2000 até a persistência atual em alguns lugares da periferia

Por Alice Riff e Luciano Onça, da Agência Pública

A inclusão digital no Brasil não pode ser compreendida sem observar o fenômeno das lan houses. Em 2008, segundo o Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), 52% dos brasileiros utilizavam esse tipo de estabelecimento. “Em vários lugares da periferia de São Paulo e do Rio, você tinha uma lan house nessa rua, outra na rua de cima”, lembra o sociólogo e professor da Universidade Federal do ABC Sergio Amadeu.

Os motivos que fizeram das lans uma verdadeira febre foram diversos. Para os gamers, era o lugar de encontro e socialização, onde os computadores tinham a configuração certa para os jogos de última geração. Durante a explosão do uso de redes sociais, o acesso contínuo era imprescindível para os adolescentes sem computador em casa. Mas a coisa mudou. O crescimento da renda média do trabalhador e o barateamento dos smartphones levou ao fechamento da maioria das lan houses em São Paulo. Hoje, adolescentes de 16 anos se lembram com nostalgia de terem frequentado as lan houses quando tinham 12 ou 13 anos.

Veja também:  Deputado do PSL chama Nordeste de "estado" e recebe críticas nas redes

O minidoc Conectados, realizado pela Pública para o programa “Sala de Notícias”, do Canal Futura, visitou essas lembranças e algumas lan houses que ainda persistem, seja em bairros longínquos como o Jardim Pantanal, na zona leste de São Paulo, ou em pequenas lojas no centro da cidade, onde acolhem os imigrantes sul-americanos e africanos recém-chegados. Assista:


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum