Fórumcast, o podcast da Fórum
11 de maio de 2015, 18h11

Confira como foi a Marcha da Maconha do RJ, a primeira do ano

De crianças a idosos, do cultivo caseiro ao uso medicinal, a Marcha da Maconha do Rio de Janeiro contemplou diversas frentes daqueles que lutam por uma mudança na lei de drogas do país; antes reprimida, a manifestação foi tranquila e deu início a um mês de mobilizações.

De crianças a idosos, do cultivo caseiro ao uso medicinal, a Marcha da Maconha do Rio de Janeiro contemplou diversas frentes daqueles que lutam por uma mudança na lei de drogas do país; antes reprimida, a manifestação foi tranquila e deu início a um mês de mobilizações

Por Redação 

Em sua 12ª edição, a Marcha da Maconha do Rio de Janeiro aconteceu no último sábado (9) de forma pacífica, bem diferente de quando estava nos seus primeiros anos, em que chegou a ser proibida e fortemente reprimida pela polícia.

Quebrando todo e qualquer tipo de estereótipo em relação à maconha, o protesto reuniu cerca de 2 mil pessoas de todas as idades, gêneros, classes sociais e profissões em prol de uma mudança da lei em relação à erva, contemplando grupos com diferentes prioridades. Entre as frentes, estavam presentes a psicodélica, a feminista, contra a redução da maioridade penal, a musical, a dos cultivadores, a da cultura negra e a que defende o uso medicinal. Diversas famílias e pessoas com doenças que poderiam ser tratadas com cannabis, inclusive, marcaram presença na caminhada.

A marcha saiu às 16h20 – conhecido como o horário mundial da maconha – no calçadão de Ipanema e seguiu até o Arpoador.

Essa foi a primeira Marcha da Maconha do ano. Ao longo do mês de maio, diversas outras capitais do país promoverão suas manifestações. Confira o calendário aqui.

Fotos: NINJA 


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum