Fórumcast, o podcast da Fórum
03 de junho de 2015, 19h14

Conheça o fenômeno ‘Jout Jout Prazer’

Fórum conversou com Jout Jout, o mais novo fenômeno da internet; ela se tornou conhecida por postar vídeos engraçados em que aborda temas cotidianos, mas também acabou fazendo muita gente refletir sobre assuntos como masturbação feminina, homossexualidade, padrões estéticos e relacionamentos abusivos.

Fórum conversou com Jout Jout, o mais novo fenômeno da internet; ela se tornou conhecida por postar vídeos engraçados em que aborda temas cotidianos, mas também acabou fazendo muita gente refletir sobre assuntos como masturbação feminina, homossexualidade, padrões estéticos e relacionamentos abusivos

Por Maíra Streit

Ela é um fenômeno. Um ano depois de postar seu primeiro vídeo no YouTube, a carioca Julia Tolezano, de 24 anos, já acumula mais de 12 milhões de visualizações e 150 mil inscritos no canal Jout Jout Prazer. A página dela no Facebook conta com 88 mil fãs, que acompanham de perto todos os passos e opinam sobre temas a serem tratados nas próximas publicações.

E os temas são os mais variados possíveis. Aliás, o mérito de Jout Jout é a leveza e a forma com que aborda o cotidiano, de maneira espontânea e sem grandes produções. Ela ensina passos de dança, arranca risadas, fala palavrão e reflete sobre coisas aparentemente sem sentido, como a anatomia do próprio pé.

Mas se engana quem pensa que toda essa informalidade traz consigo conteúdos rasos. O vídeo Não tira o batom vermelho [assista abaixo], de maior sucesso até agora, chegou a quase 700 mil pessoas e provocou muita discussão ao alertar sobre os riscos de um relacionamento abusivo.

A ideia acabou gerando uma campanha contra a violência nas redes sociais, com a hashtag #nãotiraobatomvermelho. Foram muitas as mensagens de internautas que reconheceram estar em uma relação destrutiva e ganharam forças para lutar contra isso.

O público – em boa parte formado por adolescentes e jovens mulheres – ainda encontrou espaço para falar abertamente sobre masturbação, homossexualidade, menstruação, padrões de beleza, opressões causadas pelo machismo e outros temas ainda vistos como tabus pela sociedade.

Não à toa, Júlia, que é formada em Jornalismo pela PUC-Rio, foi uma das convidadas da ONU Mulheres para palestrar no evento TEDxParquedasNaçõesWomen, realizado em Brasília na última semana com o objetivo de promover a igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres. Na ocasião, a youtuber conversou com a Fórum sobre essas questões e comentou o seu engajamento nas pautas feministas.

Confira:

Fórum – Você disse algumas vezes que não tem a pretensão de levantar bandeiras, mas é inegável o efeito que seus vídeos tiveram na vida de muitas mulheres, principalmente as mais jovens. Isso foi uma surpresa? O que mudou a partir daquele vídeo, o Não tira o batom vermelho?

Jout Jout – Primeiro, é maravilhoso receber esses e-mails que eu recebo das pessoas dizendo “obrigada”, agradecendo porque eu fiquei alguns minutos na frente de uma câmera falando algo que mudou muito para elas, sabe? E mudou também porque eu falava: “Não sou feminista, não sou nada, sou só a Jout Jout”. E, depois de muito estudar e de muitas pessoas falarem “Você é feminista sim, querida, pode parar com essa palhaçada”… Eu vi muitos vídeos, muitas coisas, vi tudo o que o feminismo prega e tudo o que eu prego. E falei: “Gente, é a mesma coisa!”. Não tem muito como sair disso.

Fórum – Algumas pessoas se assustam com essa palavra, né? Criou-se um estereótipo do que seria o feminismo, mas ele nada mais é do que a busca pela igualdade de direitos entre homens e mulheres.

Jout Jout – E você vê que todo mundo que é legal é feminista (risos). Às vezes você nem precisa se declarar feminista. Às vezes simplesmente só vive aquilo, sente aquelas coisas e vê vídeos feministas e fica toda arrepiada. Acho que foi meu primeiro indicativo. Eu via uns vídeos, ficava inteira arrepiada e falava: “Gente, isso está mexendo muito comigo”.

Fórum – Quais vídeos?

Jout Jout – Tipo Emma Watson falando na ONU ou todos os TEDs [conferências realizadas por uma fundação norte-americana para disseminação de boas ideias] de todas as mulheres maravilhosas falando como é maravilhoso ser uma mulher maravilhosa. Foi meio que assim, dando essas coisas em mim também. E é extremamente gratificante. Muito! Às vezes eu vou dormir falando: “Nem acredito”. Eu estava vindo para cá chorando e pensando: “Caraca, olha onde que eu estou. Faço vídeos sobre algumas coisas e as pessoas veem aquilo e aquilo é muito bom para elas”. Sem querer, estou fazendo super bem a um monte de gente.

Fórum – E a ironia é que você se inspirava em mulheres que via em palestras no TED e hoje você é também uma das palestrantes.

Jout Jout –  Mas a gente faz isso, né? A gente se inspira e vira inspiradora, se inspira em quem se inspirou em você e vai todo mundo se inspirando, vira uma bola louca de inspiração.

Fórum – Vir a público falar de masturbação feminina, de homossexualidade, de menstruação – que não deveriam ser, mas são temas que causam estranheza nas pessoas – é uma quebra de paradigmas. E você faz isso de uma forma muito leve. Por que você acha que ainda hoje há tantos melindres em relação a esses assuntos?

Jout Jout – Acho que é porque ninguém fala muito sobre isso e você acha que só acontece com você. Eu acho que todo o problema é você achar que só acontece com você. Aí depois que se dá conta que não, fala: “Ah, então tudo bem”. Porque a gente fica com vergonha. A gente tem medo de gente. E lá embaixo ficou muito provado isso [local onde ela participou do evento]. Você vai dar uma palestra para pessoas que são só pessoas e você quase se caga nas calças. Tem medo do que eles vão pensar ou qualquer coisa assim. Mas quando vê que está todo mundo na mesma sina, aí fala: “Ah, tranquilo. Não tem problema. É normal”.

Fórum – Você tem tido sucesso na internet, que pode ser também um ambiente muito hostil. Não acontece tanto com você, mas existe por aí uma cultura de ódio sendo disseminada e as pessoas se sentem à vontade de xingar, de ofender e de destilar seus preconceitos.

Jout Jout – Acontece. No meu canal, tem um fenômeno que não tem muito hater, tipo uma pessoa que chega, me acha ridícula, fala “você é ridícula” e vai embora. Tem muitos fãs que gostam de mim, gostam dos meus vídeos, aí eu boto um vídeo que eles não gostam e ficam decepcionados, tipo: “Esse tá médio, hein, Jout Jout?”. “Hum, tá fraco esse aí, não gostei”. São mais fãs decepcionados do que pessoas que me odeiam de verdade.

Fórum – Mas você tira de letra.

Jout Jout – Às vezes tiro, às vezes eu choro. Depende do dia, depende do ciclo menstrual, depende de muita coisa. Tem dia que eu vejo um comentário e morro de rir, tem dia que eu fico [pergunta em tom dramático]: “Por quê? O que foi que eu fiz?”. Tipo nada definido. Não estou nem madura, nem imatura. Cada dia é uma reação louca diferente.

Fórum – E o que você acha de determinados tipos de humoristas que muitas vezes, sob o pretexto de fazer rir, acabam reproduzindo a discriminação contra mulheres, negros e outros grupos?

Jout Jout – Não é bom isso. Não é coisa para rir. O que eu gosto no humor é quando as coisas são muito naturais. Eu acho maravilhoso. No meu canal, faço tudo para que você se sinta acolhido, abraçado e fala: “Eu não sou uma aberração. Essas coisas não acontecem só comigo. Acontecem com todo mundo”. E a pessoa se sente bem. Eu prefiro assim, é engraçado de um jeito leve, sabe? Porque você fazer graça de coisa que não é engraçada pode ser engraçado [no momento], mas depois você se sente até mal de ter rido daquilo. Para quê? Não tem por quê. É forçar muito a barra.

Fórum – Falando um pouco do evento que você participou, teve palestras com médica, antropóloga, cientista. O que você tirou de tudo isso? O assunto te impactou de alguma forma?

Jout Jout – Eu acho legal porque todo mundo é importante, sabe? A menina está lá em Madri fazendo pesquisa para curar o câncer e está lá no palco. E eu que fico em casa fazendo uns vídeos de pijamas também estou no palco. Então, tudo é ótimo. A palestra da parteira [Naolí Vinaver], quando começaram as fotos daquelas mulheres parindo, e aquelas caras de “estou vivendo intensamente o momento”, eu não conseguia parar de chorar. Eu fiquei pensando: “Caio, me engravida agora porque eu preciso parir! Eu quero muito parir! Preciso”.

Eu estava longe de Caio [namorado], ele estava lá atrás se debulhando em lágrimas quando ela falou que quando você vai parir não sente só dor, como todo mundo fala, mas sente o universo inteiro passando por você. A palestra dessa parteira foi um desespero na minha vida. Fiquei desesperada de alegria, de amor, arrepiada o tempo inteiro. Descobri agora que eu quero ser doula também, além de youtuber. Fiquei super querendo ser doula.

Fórum – E agora, escrevendo para a Cosmopolitan [antiga revista Nova, onde ela é colunista desde maio], você fez as pazes com o jornalismo?

Jout Jout – (Risos) É um meio jornalístico, mas não estou lá como uma grande jornalista. Estou falando das coisas que eu falo [nos vídeos], só que por escrito. Não é que eu tenha brigado com o jornalismo, só que eu não tenho nada a ver com isso. Eu sabia muito bem a estrutura, mas ter que sair na rua, entrevistar gente, morri de tédio.

É tipo ser médica. Se me mandassem ser médica, acabou a Julia. Não ia sair de casa. Mas acho ótimo que alguém goste do jornalismo, é muito importante que alguém faça isso. Mas também é importante que tenha alguém no YouTube falando das coisas. Então, estou mais feliz fazendo isso do que sair e ir para a rua. Acho lindo, mas se fosse para eu fazer, seria extremamente infeliz, o que é ótimo porque as pessoas são diferentes e temos que abraçar as diferenças.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum