Fórumcast, o podcast da Fórum
09 de novembro de 2016, 19h46

Conselho de Medicina não vai aceitar registro de estudante acusado de seis estupros

Daniel Tarciso da Silva Cardoso é acusado de estuprar ao menos seis garotas e queria se especializar em ginecologia e obstetrícia. Além dos crimes de estupro, ele já matou um homem com oito tiros durante um bloco de carnaval.

Por Redação*

O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) decidiu em uma reunião nesta quarta-feira (9) que vai indeferir o registro profissional (CRM) para o estudante Daniel Tarciso da Silva Cardoso, ele responde a um processo judicial pelo estupro de uma estudante de medicina e é acusado do mesmo crime por outras cinco alunas.

Na decisão, o Cremesp diz que “um cidadão que, durante a faculdade de Medicina é formalmente acusado de estupro por colegas de graduação – se comprovada sua conduta – não pode ter o direito de exercer esta sagrada profissão, ligada, diretamente, à vida e à dignidade”.

Daniel Cardoso queria terminar o curso e se especializar em ginecologia e obstetrícia. Ele chegou a ser suspenso por um ano e meio depois de ter confessado que tirou fotos de uma menina nua em uma ambulância durante um depoimento para uma sindicância aberta na USP para apurar esse tipo de crime.

Além de fazer medicina, ele já foi policial militar e em seu primeiro ano na corporação,  matou um homem com oito tiros ao se meter em uma briga em um bloco de carnaval. Daniel foi denunciado por homicídio culposo depois de ter alegado que agiu em legítima defesa. Sua pena foi extinta.

Protesto

Nesta quarta-feira alunas de coletivos feministas da USP realizaram um protesto pedindo para que a USP não permita que Daniel Cardoso cole grau.

A doutoranda em direito da USP, Marina Ganzarolli, explicou que, no total, seis denúncias foram feitas e quatro não foram levadas para a Polícia Civil. A conclusão do curso pelo acusado foi informada às alunas por professoras.

“Se nós não conseguirmos punir administrativamente esse aluno, que faz parte de um caso emblemático, com mais robustez de provas e mais número de vítimas, que mensagem a Faculdade de Medicina está passando para a sociedade e a comunidade acadêmica?”.

As alunas começaram a concentração por volta de 10h em frente à faculdade e depois entraram no prédio onde continuaram o protesto.

*Com informações da Agência Brasil


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum