Coronavírus: Londrinos podem ser presos se tentarem deixar a cidade

Em pronunciamento feito neste sábado, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, declarou que os planos para o Natal terão de ser desfeitos; nova cepa do coronavírus que circula na Inglaterra já está presente no Brasil desde o início da pandemia

O primeiro-primeiro britânico, Boris Johnson, anunciou neste sábado (19), durante pronunciamento, as novas regras de restrição de circulação para tentar conter a segunda onda do coronavírus. Entre elas está a proibição dos cidadãos londrinenses de deixarem a cidade. Quem desrespeitar, pode ser preso. As novas regras entram em vigor a partir da meia noite de hoje, informa o jornal inglês Metrópole.

Boris Johnson declarou que as pessoas não devem entrar ou sair de áreas de nível quatro (nível mais alto das regras de restrição de circulação) e os residentes não devem pernoitar fora de casa. As novas regras que estabelecem novos limites de circulação dos cidadãos ingleses ainda não foram publicadas e nem discutida no parlamento.

Além da prisão daqueles que tentarem deixar ou visitar as cidades que estão no nível 4, a polícia recebeu poderes para multar as pessoas que infringirem as regras e, aqueles que reincidirem, poderão ser presos, se assim a polícia considerar necessário.

Johnson aconselhou as pessoas que estavam com planos de viajar a “desfazerem as malas”. O maior temor do primeiro-ministro é o perigo de que a nova mutação do coronavírus se espalhe.

Todavia, Boris Johnson afirmou que, aqueles que deixarem as cidades em nível 4 antes da meia noite de hoje não infringirão as novas regras, porém, Johnson pediu para que elas refletissem e reavaliassem suas viagens.

Mutação do coronavírus

Chris Whitty, médio epidemiologista e Diretor Médico da Inglaterra (equivalente ao ministro da Saúde do Brasil), declarou que, por conta da maneira como se espalhou a nova cepa do coronavírus, já é possível afirmar que a “nova cepa pode ser espalhar mais rapidamente”.

O médico inglês também declarou em comunicado que a Organização Mundial da Saúde (OMS) já foi notificada e que ele e sua equipe continuam a estudar “os dados disponíveis para melhorar o entendimento” da nova cepa do vírus”, informa o G1.

Mike Ryan, diretor de emergências da OMS, confirmou a notificação do governo inglês e disse que a OMS já está monitorando e que, até este momento, não havia indicações de que se tratasse de uma versão “mais complicada” do coronavírus.

Ao G1, Ester Sabino, médica e cientista da Faculdade de Medicina da USP, informou que a pandemia no Brasil “já começou com essa mutação (D614G), então, 95% das pessoas já têm essa mutação”, explicou a médica pesquisadora.

Europa em novo lockdown

Ao longo desta semana vários países da Europa decretaram novas políticas de bloqueios para tentar conter a segunda onda do coronavírus. Neste sábado (19), Áustria, Itália, Suíça e Suécia também anunciaram novo lockdown.

O Reino Unido, a Alemanha e a França já haviam anunciado novo lockdown. No Reino Unido, o primeiro-ministro Boris Johnson anunciou que Londres e o sudoeste da Inglaterra passariam do nível 3 para o nível 4 de restrições, que é o mais alto. A mudança vale até o dia 30 de dezembro.

Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR