Fórumcast, o podcast da Fórum
30 de janeiro de 2017, 11h43

De olho nos negócios proporcionados pela abertura, governo Temer vai pra Cuba

Temer vai pra Cuba. Seu governo começa a tentar um movimento de aproximação da esquerda moderada, pelo menos em relação à área internacional. O Brasil quer estreitar as relações com Cuba. A estratégia do Palácio do Planalto é aproveitar o momento de abertura comercial do país para fechar negócios com a ilha.

Temer vai pra Cuba. Seu governo começa a tentar um movimento de aproximação da esquerda moderada, pelo menos em relação à área internacional. O Brasil quer estreitar as relações com Cuba. A estratégia do Palácio do Planalto é aproveitar o momento de abertura comercial do país para fechar negócios com a ilha.

Da Redação com Informações do Globo

O presidente Michel Temer começa a tentar um movimento de aproximação da esquerda moderada, pelo menos em relação à área internacional. O Brasil quer estreitar as relações com Cuba. A estratégia do Palácio do Planalto é aproveitar o momento de abertura comercial do país para fechar negócios com a ilha. De quebra, o governo conseguiria angariar simpatia de críticos do processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, que levou Temer ao poder.

Há interesses em diversas frentes. Segundo interlocutores do presidente da República, o BNDES tem interesse em financiar a compra e a instalação de equipamentos ferroviários. Esse é um setor que promete deslanchar com o fim do embargo dos EUA a Cuba.

Já a indústria quer fornecer etanol e fazer projetos de infraestrutura na ilha. No entanto, ainda há algumas dúvidas sobre o ritmo de abertura da economia cubana.

— Queremos estreitar relações com Cuba de qualquer jeito. É interessante para nós do ponto de vista econômico e político — resumiu uma pessoa próxima a Temer.

Comércio quase irrisório

Atualmente, o comércio com Cuba é quase irrisório. O Brasil exportou apenas US$ 321 milhões no ano passado. Isso representa apenas 0,17% das vendas ao exterior. Os embarques para aquele país foram, principalmente, de óleo de soja e carne de frango congelada. Já as compras do Brasil foram bem menores: somente US$ 55 milhões. Isso representa 0,04% das importações.

A mudança, porém, exigiria um amplo movimento diplomático para a reaproximação. Afinal, Cuba foi um dos países mais enfáticos na rejeição do impeachment.

No primeiro discurso de Temer na Organização das Nações Unidas, nem o chefe de Estado ou diplomatas cubanos permaneceram no recinto para ouvir as palavras do presidente. O protesto silencioso foi seguido por diplomatas e ministros de outros antigos aliados da ex-presidente Dilma Rousseff.

Em resposta, a Controladoria-Geral da União (CGU) abriu um procedimento para investigar o financiamento da construção do Porto Mariel, em Cuba, um dos projetos mais simbólicos dos governos petistas. O empreendimento foi erguido pela Odebrecht com o financiamento de US$ 682 milhões pelo BNDES. A dúvida é se o investimento gera mercado para os empresários brasileiros. As regras do banco só permitem esse tipo de empréstimo nessas condições.

Aproximação com a Colômbia

Ficar próximo de Cuba não é a única diretriz do governo. A aproximação com a Colômbia, por exemplo, deve ser feita por meio da área de segurança. Na semana que vem, o Brasil discutirá com os ministros daquele país questões como segurança na fronteira e a reintegração de combatentes das Farc. O governo Temer ainda ensaia gestos de afagos aos africanos, governos que foram beneficiados por anos nas administrações petistas.

Segundo fontes do Itamaraty, existe a determinação da Presidência da República para que o Brasil amplie programas de cooperação, investimentos de comércio com as nações africanas, especialmente aquelas da África Austral.

— Á África é uma região importante e estratégica para nós. É claro que continuaremos tendo aquela região como prioridade — assegurou uma fonte.

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum