Notícias

“É uma decisão da Petrobras”, diz Lula sobre preço dos combustíveis

Petista enfatizou que, se eleito, não manterá a política de paridade e que Bolsonaro não governa: "É uma anomalia criada pelo discurso de ódio contra o PT em 2018"

Compartilhar

O ex-presidente Lula (PT) afirmou, nesta terça-feira (30), em entrevista à Rádio Gaúcha, do Rio Grande do Sul, que se for eleito em 2022 não manterá a política de paridade de preços na Petrobras, que subordina os valores dos derivados de petróleo nas refinarias ao mercado internacional.

A fala foi feita em resposta à jornalista e colunista de Economia Giane Guerra, que tentou defender a política adotada no governo de Michel Temer (MDB) e mantida por Jair Bolsonaro (Sem Partido).

“Essa política de preços não tem explicação nenhuma, a não ser pagar dividendos para os acionistas minoritários, é uma obrigação internacional”, disse o petista. Segundo ele, os preços dos combustíveis são uma “decisão da Petrobras”.

Notícias relacionadas

Como justificativa para o aumento absurdo dos valores do diesel e gasolina, que atingiram os maiores preços em décadas, Bolsonaro culpa terceiros, como os governadores e o ICMS.

“Vira e mexe vejo o Bolsonaro resmungar. Acontece que Bolsonaro não governa o Brasil, ele não entende de economia, política social, de futebol, não entende de partido político. O Bolsonaro é uma anomalia do ódio estabelecido neste país contra o PT nas eleições de 2018”, afirmou o ex-presidente.

“Ele não entende de preços da Petrobras, eu duvido. Qualquer pessoa séria que ganhar as eleições nesse país em 2022 não vai manter essa política de preços de paridade de petróleo. Não é razoável, não é respeitoso com as mulheres e homens desse país”, continuou Lula.

Questionado sobre qual política implementaria, respondeu que seria a mesma que fez durante o seu governo, quando havia uma administração de preços combatível com a sobrevivência da estatal. Para ele, o argumento em defesa da paridade faz parte de um “complexo de vira-lata”.

“Esse argumento é do complexo de vira-lata, de subordinar aos interesses das multinacionais que estavam preparadas para destruir as indústrias do país e tentar ainda fazer um acordo e receber US$ 3 bilhões, uma parte para [Deltan] Dallagnol criar uma fundação. Os acionistas merecem ganhar alguma coisa, mas quem tem que ganhar por conta da Petrobras é o povo brasileiro”, disse o petista.

Assista a entrevista na íntegra:

Este post foi modificado pela última vez em 30 nov 2021 - 09:45 09:45

Carolina Fortes

Repórter colaborativa no site Emerge Mag e antiga editora-assistente no site da Jovem Pan. Ex-repórter no site Elástica. Formada em jornalismo e faz a segunda graduação em Letras na Universidade de São Paulo (USP). Acredita no jornalismo como forma de impacto social e defende maior inclusão e representatividade.

Por
Carolina Fortes

Última hora

  • Valerio Arcary

Por que marxistas devem defender as cotas raciais? – Por Valerio Arcary

Não é a luta contra o racismo que explica a raiva, exasperação e fúria dos…

20 jan 2022 - 23:20
  • Brasil

Damares e Queiroga visitam criança que teve parada cardíaca mesmo após relação com vacina ser descartada

Ministros parecem estar fazendo campanha antivacina, visto que especialistas já apontaram que parada cardíaca de…

20 jan 2022 - 22:50
  • Cultura

Apanhado do cinema 2021 – Por Cesar Castanha

Confira o que de melhor rolou nas telonas em 2021 no artigo do crítico Cesar…

20 jan 2022 - 22:10
  • Pop Notícias

BBB: Vyni revela que se formou com bolsa do Prouni e Haddad comemora

O ex-ministro Fernando Haddad compartilhou depoimento do participante do BBB; confira

20 jan 2022 - 22:08
  • Política

Vitória em 1º turno à vista: Lula tem a soma de todos os candidatos, diz nova pesquisa

Levantamento PoderData mostra que petista cresceu 2 pontos, enquanto Bolsonaro perdeu o mesmo percentual e…

20 jan 2022 - 21:44
  • Opinião

O homem está trabalhando: não para o povo, mas para se reeleger – Por Raphael Fagundes

Bolsonaro não quer trabalhar, ele quer apenas se reeleger. Aliás, para um político com mais…

20 jan 2022 - 21:40