Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
12 de janeiro de 2017, 15h42

Defensor do agronegócio, Caiado (DEM) vai propor ‘CPI’ para investigar samba da Imperatriz Leopoldinense

O senador fazendeiro, fundador da União Democratica Ruralista (UDR) e cuja família é acusada de trabalho escravo, informou que pretende investigar no Senado quem são os financiadores da Imperatriz Leopoldinense e “os interesses em denegrir o agronegócio”. Escola de samba carioca levará este ano à Sapucaí um samba-enredo em defesa das comunidades do Xingu

Por Redação

Depois de ser alvo de protesto por parte da Associação Brasileira dos Criadores de Zebu e de uma apresentadora da Record de Goiás, que sugeriu que índios morressem de malária e sem remédios, o samba-enredo deste ano da Imperatriz Loeopoldinense (RJ) poderá ser discutido no Senado. Isso por que Ronaldo Caiado (DEM-GO) informou através de seu Facebook, nesta quinta-feira (12), que vai propor uma sessão temática para “para discutir, debater e descobrir os financiadores da Imperatriz Leopoldinense e os interesses em denegrir o agronegócio”.

“Com tantos problemas no país, que sofre com traficantes, bicheiros e facções, causa perplexidade uma escola de samba atacar o agronegócio, orgulho do País, que é o único setor que gera tantos resultados positivos”, justificou o senador.

O projeto de jornalismo livre da Fórum precisa de você. Seja um sócio e ajude a manter o nosso site funcionando.

De autoria de Moisés Santiago, Adriano Ganso, Jorge do Finge e Aldir Senn, o samba da Imperatriz Leopoldinense sai em defesa das comunidades indígenas do Xingu e faz uma crítica contundente aos donos de terra: “O belo monstro rouba as terras dos seus filhos, devora as matas e seca os rios, tanta riqueza que a cobiça destruiu, Sou o filho esquecido do mundo, minha cor é vermelha de dor, o meu canto é bravo e forte, mas é hino de paz e amor”.

Ronaldo Caiado, por sua vez, é um antigo e ferrenho defensor dos interesses do agronegócio. Dono de fazendas desde jovem, foi criador e presidente da União Democrática Ruralista (UDR), acusada de organizar milícias com a compra de armas pelos proprietários de terra para evitar ocupações de sem-terra na década de 1980. Sua família, inclusive, consta na lista de 91 incluídos pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) na atualização semestral da relação de empregadores flagrados com trabalho escravo.

Foto: Gustavo Lima / Câmara dos Deputados

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum