Déficit de funcionários na Caixa está perto de 20 mil e Plano de Demissão Voluntária põe em risco atendimento

Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae) aponta para mais de dois mil servidores que já aderiram ao PDV. Com saída de empregados, serviço ficará comprometido no banco. Organizações sindicais lançam abaixo-assinado exigindo mais contratações.

Mais de dois mil bancários da Caixa Econômica Federal aderiram ao Programa de Demissão Voluntária (PDV) aberto este ano pelo banco para a redução do quadro de pessoal da instituição, responsável pelo pagamento do auxílio e do FGTS emergenciais, além de outros benefícios a mais de 120 milhões de pessoas (metade da população brasileira). Com a saída destes milhares de empregados pelo PDV, o déficit de trabalhadores da empresa pública se aproxima de 20 mil, colocando em risco real a capacidade e a qualidade da assistência à sociedade, conforme alerta a Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa (Fenae).

“É preocupante o desligamento desses trabalhadores sem uma indicação do banco para a contratação de novos empregados”, destaca o presidente da Fenae, Sergio Takemoto. “Além de piorar as condições de trabalho, a falta de bancários pode prejudicar o atendimento à população; especialmente, neste momento de pandemia”, afirma.

Até o encerramento do PDV no último dia 20, o déficit no quadro de pessoal da Caixa já superava 17 mil profissionais. A empresa, que chegou a ter 101,5 mil trabalhadores em 2014, conta atualmente com 84,2 mil empregados. Apesar disso, o banco trabalhava com a estimativa de desligamento voluntário de 7,2 mil trabalhadores, neste ano.

“Felizmente, a quantidade de desligamentos (2,3 mil, segundo a direção da Caixa) não atendeu às expectativas. Mas o impacto vai ser grande”, adianta o presidente da Fenae. “O banco precisa de mais trabalhadores”, reforça Takemoto.

Nesta quarta-feira (25), a Fenae e a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Confraf/CUT) lançaram um abaixo-assinado em defesa de contratações na estatal. O documento já conta com 873 assinaturas.

Esta semana, durante a apresentação dos resultados do banco no terceiro trimestre deste ano, o presidente da instituição, Pedro Guimarães, disse que o desligamento dos 2,3 mil bancários “dá uma economia da ordem de R$ 580 milhões por ano”. A conselheira de Administração da Caixa, Rita Serrano, observa que a perda dos empregados “tem um custo”. 

“Se para o banco isso (PDV) é uma economia, para os trabalhadores é uma perda em saúde, qualidade de vida e trabalho. É um absurdo”, afirma. “Entendo que a Caixa precisa repor essa mão de obra para continuar sendo um banco fundamental para o país e ter condições de atender à população. Inclusive, em situações de calamidade pública, como agora”, emenda Serrano.

Possibilidade de filas — A coordenadora da Comissão Executiva dos Empregados da Caixa (CEE/Caixa) e secretária de Cultura da Contraf, Fabiana Uehara Proscholdt, observa que a redução do quadro de pessoal também influencia na formação de filas. “É preciso convocar os aprovados no concurso para repor o quadro”, ressalta.

O presidente da Fenae também alerta para essa possibilidade. “O número de casos de Covid-19 está aumentando em diversos estados brasileiros. Se houver um novo ciclo de pagamento do auxílio emergencial, e defendemos que ele aconteça, as aglomerações vão voltar às agências, pois haverá ainda menos trabalhadores para atender a população”, pontua. “Desligar mais de dois mil empregados sem ter um plano de reposição é, no mínimo, um ato irresponsável não só com os empregados da Caixa, mas também com os milhões de brasileiros que dependem desses recursos”, completa Sergio Takemoto.

No Acordo Coletivo de Trabalho 2014/2015, a direção da Caixa Econômica (por força de decisão da Justiça) se comprometeu a realizar duas mil contratações. Trezentos bancários foram convocados no último mês de maio para atuarem no Norte e no Nordeste. Contudo, o número está longe de ser o ideal, segundo apontam a Fenae e outras entidades representativas da categoria.

Além da falta de empregados, o banco (de acordo com o balanço do terceiro trimestre divulgado nesta semana) ainda fechou 796 postos de trabalho, em doze meses. Destes, 30 foram reduzidos entre os últimos meses de março e setembro, em plena pandemia. Também foram fechadas duas agências. Apesar disso, a Caixa registrou um incremento de mais de 43 milhões de novos clientes.

Balanço trimestral — Conforme o balanço, nos nove primeiros meses deste ano a Caixa Econômica Federal registrou um lucro líquido de R$ 7,8 bilhões, com queda de 53,6% em relação ao mesmo período de 2019. No trimestre, o resultado alcançou o patamar de R$ 1,9 bilhão, com redução de 26,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior.

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Em 2021, escolha a Fórum.

Todos os dias Fórum publica de 80 a 100 matérias desde às 6h da manhã até à meia-noite. São 18h de textos inéditos feitos pela equipe de 10 jornalistas da redação e também por mais de três dezenas de colaboradores eventuais.

E ainda temos 3 programas diários no YouTube. O Fórum Café, com Cris Coghi e Plínio Teodoro, o Fórum Onze e Meia, com Dri Delorenzo e este editor, e o Jornal da Fórum, com Cynara Menezes. Além de vários outros programas semanais, como o Fórum Sindical, apresentado pela Maria Frô.

Tudo envolve custos. E é uma luta constante manter este projeto com a seriedade e a qualidade que nos propomos.

Por isso, neste momento que você está renovando suas escolhas e está pensando em qual site apoiar neste ano, que tal escolher a Fórum?

Se fizer isso, além de garantir tranquilidade para o nosso trabalho, você terá descontos de no mínimo 50% nos cursos que já temos em nossa plataforma do Fórum Educação.

É fácil. Clique em apoiar e escolha a melhor forma de escolher a Fórum em 2021.

Renato Rovai
Editor da Revista Fórum

APOIAR