Entrevista exclusiva com Lula
15 de agosto de 2007, 10h55

Dentro do governo, Pochmann mantém discurso crítico

Na posse como diretor do Ipea, o economista criticou o raquitismo do estado brasileiro.

Na posse como diretor do Ipea, o economista criticou o raquitismo do estado brasileiro.

Por Daniel Merli

Nas 24 horas que antecederam sua posse à frente do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea), o gaúcho Marcio Pochmann seguiu sua rotina de um dos principais pesquisadores e intelectuais críticos das políticas econômicas do governo federal.

Na segunda-feira, participou de seminário da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) sobre políticas de geração de renda. Na terça, poucas horas antes de assumir o principal órgão de planejamento econômico do governo federal, defendeu a jornada de 12 horas semanais. E que seja postergada a entrada dos jovens no mercado de trabalho para os 25 anos.

“Ao contrário do que muitos argumentam, acredito que as transformações em curso na área tecnológica dão a possibilidade de avançar no direito ao trabalho”, defendeu, durante o lançamento da Campanha pela Efetivação do Direito Trabalho, da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra).

Já na cerimônia de posse, Pochmann manteve o discurso crítico. “Temos um Estado raquítico”, afirmou. Segundo ele, os funcionários públicos representam 8% dos trabalhadores brasileiros. “Em 1980 era 12%. Nos países desenvolvidos varia de 18%, nos Estados Unidos, a 40%, nas nações escandinavas”. Bateu também na “rigidez orçamentária”, que priva as políticas sociais de verbas.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum