Desemprego atinge 13,4 milhões de pessoas e é o maior desde 2012

Mais de 5 milhões de pessoas desistiram de procurar trabalho em 2020

De acordo com dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), a taxa média de desocupação em 2020 foi de 13,5%, a maior desde 2012. Isso significa que cerca de 13,4 milhões de pessoas estão trabalho no Brasil.

No intervalo de um ano, a população ocupada caiu 7,3 milhões, o menor número da série da anual. Essa queda se disseminou por toda a classe trabalhadora.

O número de empregados com carteira de trabalho assinada no setor privado teve redução, em um ano, de 2,6 milhões, recuo de 7,8%, ficando em 30,6 milhões de pessoas.

Os trabalhadores domésticos também registraram a maior queda: 19,2%.

Outra categoria que sofreu redução foi a de trabalhadores autônomos: 22,7 milhões, uma redução de 6,2% em relação a 2019.

A pesquisa também revelou que o número de empregados sem carteira assinada no setor privado caiu 16,5%, ou seja, 1,9 milhão de pessoas a menos.

Por sua vez, a taxa de informalidade passou de 41,1% em 2019 para 38,7% em 2020, representando 33,3 milhões de pessoas sem carteira de trabalha assinada, sem CNPJ e sem remuneração.

A categoria de desalentados teve uma alta de 16,1% em relação a 2020. Dessa maneira, 5,5 milhões de pessoas desistiram de procurar emprego no ano passado.

Para acessar os dados na íntegra, clique aqui.

Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).