#Fórumcast, o podcast da Fórum
20 de agosto de 2019, 07h51

Dia virou noite: Com Bolsonaro, queimadas aumentaram 82%

Nuvens baixas e carregadas, associadas a frente fria, somaram com a fumaça das queimadas, fazendo com que o dia virasse noite em São Paulo. Tempo deve permanecer nublado nesta terça-feira (20)

(Foto: Jose Cruz/Agência Brasil)

As queimadas no Brasil aumentaram 82% no governo de Jair Bolsonaro (PSL), comparando com o mesmo período do ano passado. De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), esta é a maior alta dos últimos sete anos e diversas regiões do país foram afetadas. Nuvens baixas e carregadas, associadas a uma frente fria que avança do Sul, somou com a fumaça das queimadas e fez com que o dia virasse noite em São Paulo na segunda-feira (19), que deverá permanecer nublada nesta terça (20).

O Facebook silenciou a Fórum. Censura? Clique aqui e nos ajude a lutar contra isso

Com maior força na Amazônia, os incêndios se estenderam pelos Estados do Acre, Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, chegando à tríplice fronteira entre Brasil, Bolívia e Paraguai. Nos últimos dois dias, o Brasil teve 5.253 focos de queimadas detectados pelo sistema do Inpe. Bolívia, Peru e Paraguai seguem com 1.618, 1.166 e 465, respectivamente. A última grande onda é de 2016, com 66.622 focos de queimadas entre essas datas.

Imagens de um forte incêndio em Rondônia viralizaram nas redes sociais no fim de semana. A queimada se alastrou por cerca de 15 dias na Reserva Ambiental Margarida Alves, assentamento ligado ao MST e localizado em Nova União, a 370 quilômetros de Porto Velho, em Rondônia. “Não dá para respirar ali, Rondônia está morrendo sufocada”, comentou um dos moradores da região.

Apesar dos especialistas já terem avisado sobre o crescente desmatamento que assola a Amazônia durante os primeiros meses deste ano, o que inclusive está há semanas sob os holofotes internacionais e que contribuiu com o aumento das queimadas, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) está publicamente em guerra com os dados do Inpe. Bolsonaro desacreditou os números e foi contestado publicamente pelo então presidente da instituição, Ricardo Galvão, que foi exonerado do cargo.

O então diretor do Inpe havia indicado que 6,8 mil km² poderiam estar sob desmate. Apesar do presidente Jair Bolsonaro afirmar que os números prejudicam a imagem do país, esse número se confirmou pelos balanços anuais feitos também pelo Inpe. Em comparação, de agosto de 2017 a julho de 2018, os alertas sinalizaram desmate em 4,5 mil km ². A taxa oficial ficou em 7,5 mil km², ou seja, 64,8% maior. A mesma tendência pode ser percebida nos anos anteriores.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum