Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
23 de agosto de 2016, 14h39

Dória, o indigesto

O candidato tucano à prefeitura de SP foi duramente criticado por falar em extinguir a Secretaria da Pessoa com Deficiência. Dória promete acabar com duas secretarias municipais que não existem. Tipo a piada eterna da volta dos que não foram, mas ao contrário. A ida dos que não vieram… LGBT e Juventude não são Secretarias. São subordinadas à Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania. Além disso, ele chamou, passeando pelo Centro, moradores em situação de rua de “indigentes”. Isso foi indigesto

Por Adriana Dias*

O candidato do PSDB à prefeitura de São Paulo, João Dória, foi duramente criticado por falar em extinguir a Secretaria da Pessoa com Deficiência. Criticado por gente do próprio partido. Mara Gabrilli afirmou em seu Facebook que a proposta “é de uma falta de conhecimento inacreditável”.

É verdade. Uma secretaria dá uma força que uma coordenação não tem. No quesito falta de conhecimento, aliás, o mocinho do botox maravilha dá show: Dória promete acabar com duas secretarias municipais que não existem. Tipo a piada eterna da volta dos que não foram, mas ao contrário. A ida dos que não vieram… LGBT e Juventude não são secretarias. São subordinadas à Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania. Além disso, ele chamou, passeando pelo Centro, moradores em situação de rua de “indigentes”. Isso foi indigesto.

As secretarias de Igualdade Racial, Mulheres e Direitos Humanos têm orçamentos pequenos: R$ 158,4 milhões. Ou seja, representam juntas apenas 0,29% do orçamento da Prefeitura em 2016, que é de R$ 54,4 bi. Cortar essas secretarias é uma medida demagógica, que não apresenta ganho real, e retira o poder de secretaria, o mesmo que vale para pessoas com deficiência para cuidar da discriminação de gênero e do racismo em São Paulo.

O capacitismo, a discriminação das pessoas com deficiências, têm origem no machismo e no racismo. Sem combater a ideia de que existem corpos menores, menos humanos, e sem difundir a ideia de igualdade, entre homens e mulheres, entre TODAS as pessoas, não haverá fim do capacitismo. Não adianta manter a secretaria de pessoa com deficiência e não combater o racismo e o machismo.

Dória é indigesto, seja falando das secretarias, do seu programa de governo, quase medieval, dos indigentes, ou comendo pastel…

E por falar em capacitismo, Haddad, quando você vai levar a sério as políticas para pessoa com deficiência e pessoas com doenças raras?

*Adriana Dias é Bacharel em Ciências Sociais em Antropologia, Mestre e Doutoranda em Antropologia Social – tudo pela UNICAMP. É também coordenadora do Comitê “Deficiência e Acessibilidade” da Associação Brasileira de Antropologia e coordenadora de pesquisa tanto no Instituto Baresi (que cria políticas públicas para pessoas com doenças raras) quanto na ONG ESSAS MULHERES (voltada à luta pelos direitos sexuais e reprodutivos e ao combate da violência que afeta mulheres com deficiência). É Membro da American Anthropological Association, e foi membro da Associação Brasileira de Cibercultura e da Latin American Jewish Studies Association


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum