Luiz Roberto Alves

05 de abril de 2020, 20h54

E depois?

Leia na coluna de Luiz Alves: "Depois dessa pandemia, o que faremos? Já não é hora de nos prepararmos para subversões de procedimentos e superações de ações e pensamentos lineares e simplórios?"

Cruz Vermelha em ação na Índia durante o surto do novo coronavírus (Foto: Cruz Vermelha)

Nada mais desejável em tempos de crise estrutural no interior do/da Antropoceno que o abandono do pensamento linear e, melhor, simplório. Algumas belas montagens astrofísicas da Terra – que vimos nesses dias – em processo de respiração, ao lado de sinais de recuperação do universo natural atestam que a nova era de responsabilização da ação do humano no mundo fez-se crítica e deu uma parada brusca. Uma pandemia. No entanto, já não se sustentam as narrativas idílicas que atestam nossa mudança na direção da solidariedade entre os diferentes do mundo e do respeito à Pachamama sofrida. Boas análises dão sinais de que o turbo-capitalismo tentará se desforrar da parada e lançar mão de todas as suas armas na recuperação do tempo e do capital porventura ou supostamente perdidos.

No entanto, se efetivamente superássemos tais modos de pensar, lineares e simplórios, muitas vezes míticos, as ciências naturais, humanas e sociais, atravessadas pela criação cultural que lhes dá leveza e prazer, sairiam engrandecidas e valorizadas. Então, o novo curso do pensamento social questionaria sobre a razão em recuperar um modo de produção (físico e simbólico) que choca o ciclo antropocênico ainda no seu início, tirando ao ser humano o direito de provar sua sapiência e sua grandeza emotiva e racional.

Nunca foi incomum visibilizar o pensamento idílico e arrebatado acerca dos novos tempos felizes em meio aos infortúnios. Além de tudo, são dignos e justos em face do contrário vivido, que é o círculo da morte e do horror. Mas o arrebatamento individual e comunitário foi curto nos tempos seguintes. Faltaram forças inteligentes para questionar os poderes em sua desforra e sua recuperação da mesma condição anterior às pestes, guerras e endemias. Deste modo, e muito infelizmente, o dia seguinte pode ser pior.

Neste tempo, para exemplificar, se dependermos de figuras como Bolsonaro, Orbán, Duterte, Trump e análogos (horizontal e verticalmente) entraremos em tempos ainda mais indignos que os vividos até dezembro de 2019.

A rigor, muitas vezes o idílio e o arrebatamento também são simplórios e sinalizam o pensamento linear, pois se esse interstício de vida fosse caracterizado por leituras amplas, complexas e justas da vida, caberia questionar se a limpeza dos rios ou dos canais de Veneza, a trégua ao desmatamento, o recolhimento dos aviões e outros veículos poluidores, a menor intoxicação por agrotóxicos e muito e muito mais teria de ocorrer ao custo de tantas mortes e possíveis sequelas. Não, esse movimento esquizofrênico de vida garantida pela morte não é bom sinal para a nova era de nossa responsabilidade antropocênica de cuidar do nosso mundo.

A rigor, todo esse “evangelho”, isto é, as boas novas da natureza durante a pandemia teriam de ser realidade em tempos normais e não excepcionais. Digno e justo é garantir a integridade do planeta dentro de um modo de produção que subverta o anterior. Do mesmo modo, um pensamento que compreenda as diferenças e desigualdades do vasto mundo dentro do cotidiano liberado e não sob quarentena. Ciências e artes entendidas como bem-comum similar à água que bebemos não seriam reclamadas no calor da hora H e sim comporiam políticas públicas costumeiras e criativas.

E se a sociedade global nos trouxer pandemias em intervalos mais curtos? Ficaremos todos loucos no processo de completa desadaptação à crise permanente, talvez ao horror permanente. Nenhuma pesquisa conseguiu trabalhar, efetivamente, o significado da crise contínua, do infortúnio de vida inteira, se é que isso poderia ser chamado de vida. Noutro registro, quais estruturas sociais suportariam tal carga?  Deste modo, o problema está mais em cima, no pensamento e nos processos decisórios, quer para estudiosos e educadores de todas as áreas do conhecimento, quer para os poderes da sociedade democrática e para as lideranças instituídas nas organizações e nas instituições, desde o grupo que se junta para jogar truco, contar estórias ou rezar às corporações intranacionais e órgãos multilaterais.

O/A jovem Antropoceno gritou, assustou-se, reagiu, delirou, gemeu. Provavelmente para provocar que não permitamos similaridades históricas ou mesmo piora de atitudes e decisões da era anterior e da sua própria, completamente indesejáveis e indignas. Mas a nova era nada faz por si. Nem nos salvará. De fato, fazemos nela.

Então, depois dessa pandemia, o que faremos? Já não é hora de nos prepararmos para subversões de procedimentos e superações de ações e pensamentos lineares e simplórios?   

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Fórum


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum