Edir Macedo perde controle da Igreja Universal em Angola

Decisão do governo angolano foi divulgada um dia antes da prisão de Marcelo Crivella, primo de Edir Macedo. Bispos de Angola acusam brasileiro de racismo, abuso de autoridade e imposição da prática de vasectomia aos pastores

Cinco dia antes da prisão do primo, Marcelo Crivella (Republicanos), por corrupção na prefeitura do Rio de Janeiro, Edir Macedo perdeu o controle da Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd) em Angola, na África.

Segundo informações de Gilberto Nascimento, no site The Intercept Brasil nesta terça-feira (22), o governo de Angola divulgou na segunda-feira (21) um ofício que confirma o bispo angolano Valente Bezerra Luís como o novo representante da Igreja Universal no país.

A decisão foi tomada no dia 17 de dezembro, após o governo angolano reconhecer a decisão de uma assembleia da Universal realizada em 24 de junho, quando os bispos locais anunciaram o rompimento com a matriz brasileira e elegeram Bezerra como novo líder.

No documento, o Instituto Nacional para os Assuntos Religiosos do Ministério da Cultura de Angola afirma que a Universal é reconhecida pelo estado angolano e confere poderes a Valente Luís.

Controle
Após a insurreição, em junho, os bispos liderados por Valente Luís assumiram o controle de 35 templos da Universal em Luanda e cerca de 50 em outras províncias do país, como Lunda-Norte, Huambo, Benguela, Malanje e Cafunfo.

Os bispos e pastores angolanos acusam a direção brasileira, liderada pelo bispo brasileiro Edir Macedo, de evasão de divisas, expatriação ilícita de capital, racismo, discriminação, abuso de autoridade, imposição da prática de vasectomia aos pastores e intromissão na vida conjugal dos religiosos.

Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR