segunda-feira, 28 set 2020
Publicidade

Em 2015, relatório já apontava situação explosiva em Penitenciária de Manaus

Documento feito por órgão vinculado ao Ministério da Justiça mostrava contexto de fortes disputas de facções, superlotação, falta de funcionários e “celas-cativeiro”. Dizia também que a ação da administração penitenciária era omissa

Por Adriana Delorenzo

 

Em dezembro de 2015, uma equipe do Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura realizou vistorias em unidades prisionais de Manaus (AM), entre elas o Complexo Penitenciário Aníbal Jobim (Compaj), onde massacre deixou 56 mortos. “Os cárceres amazonenses estão divididos por facções o que gera um contexto de fortes disputas e tensionamentos entre grupos no sistema penitenciário estadual”, apontava o relatório produzido por eles (veja aqui a íntegra). “A ação da administração penitenciária é limitada e omissa diante da ação das facções criminosas”, dizia.

Segundo o documento, os presos “basicamente se autogovernam nas unidades prisionais, afetando a segurança jurídica e, mais grave, o direito à vida das pessoas”. Citava ainda um “grave quadro de superlotação” em todo o sistema amazonense, no Compaj, de 254%. “Fruto de um processo de encarceramento em massa que marca não só o Amazonas, mas todo o Brasil.”

A equipe apontava a ameaça à vida dos presos mantidos nas celas separadas chamadas de “seguro”. Tratam-se de celas situadas em um local externo aos pavilhões, com intenso barulho, circulação de pessoas e automóveis. Chamava atenção para a “prática sistemática da tortura e de outras ilegalidades cometidas por agentes públicos e privados nas unidades visitadas no Amazonas”. Todos os presos estariam recebendo uma punição a mais do Estado pelas condições que viviam, no caso dos presos no “seguro”, a punição era ainda maior.

O relatório também trazia que presos relataram que as “pessoas LGBT eram severamente punidas por outros detentos, com espancamentos e abusos sexuais, quando desrespeitavam regras de convivência impostas pela facção”. Outros afirmaram a existência de “celas cativeiros”, onde ocorriam punições e até mortes.

A rebelião no Compaj, que teve início no domingo e só terminou nesta segunda (2), após cerca de 17 horas, é o maior massacre depois do Carandiru, que deixou 111 mortos em 1992. A penitenciária é, desde 2014, administrada por uma empresa privada, a Umanizzare. Todos os agentes responsáveis pela segurança dos presos são contratados pela empresa. O relatório mostrava um “descumprimento contratual”, já que apenas 153 funcionários estavam trabalhando, enquanto 250 estavam previstos em contrato da empresa com o Compaj.

Redação
Redação
Direto da Redação da Revista Fórum.