No rastro do óleo do Nordeste
19 de setembro de 2007, 11h22

Em 2006, proporção de brasileiros pobres teve maior queda dos últimos dez anos

Em 14 anos, a redução da pobreza no país foi de 45%, segundo estudo da FGV. Ano passado, redução foi de 15%

Em 14 anos, a redução da pobreza no país foi de 45%, segundo estudo da FGV. Ano passado, redução foi de 15%

Por Nielmar de Oliveira

A proporção de brasileiros situados abaixo da linha de pobreza caiu de 35% para 19% do total da população brasileira – estimada em quase 190 milhões de pessoas – entre 1993 e 2006 – uma redução cerca de 45% no percentual de pobres em um prazo de apenas 14 anos. A constatação é da Fundação Getúlio Vargas (FGV), que divulga a pesquisa “Miséria, Desigualdade e Política de Renda: O Real do Lula” lançada na terça-feira, 19.

Feito a partir de microdados da Pesquisa por Amostra de Domicílios de 2006 (Pnad), divulgada na semana passada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o levantamento da FGV aponta para a manutenção da redução dos índices de desigualdades e de distribuição de renda no país, iniciada a partir da recessão verificada em 2003.

Em entrevista à Agência Brasil, o coordenador do Centro de Políticas Sociais do Instituto Brasileiro de Economia – órgão da FGV –, Marcelo Neri, antecipou alguns dos resultados do estudo e demonstra “surpresa” com algumas das constatações da pesquisa. “A analise dos microdados da Pnad indica que, em 2006, houve uma redução da miséria no país de cerca de 15% – este é o maior resultado dos últimos dez anos e mostram um crescimento da renda domiciliar per capita – ou seja, já descontado o crescimento da população – de 9,16%, resultado mais próximo a um crescimento chinês”.

“Os números de 2006 não só dão seqüência às conquistas observadas desde a piora da pobreza com a recessão de 2003, como também constitui o melhor ano isolado da série histórica da nova Pnad, com queda de 15% da miséria no país – o melhor resultado dos últimos dez anos”, afirma. As analises da FGV indicam que, do ponto de vista da distribuição de renda, os 50% mais pobres cresceram a sua participação nas riquezas do país em 12%, enquanto os 10% mais ricos em 7,8%, no ano passado.

“Isto significa que o bolo continuou a crescer para todos, mas com mais fermento para os mais pobre. Os indicadores sociais baseados na renda são os melhores dos últimos dez anos. Desde o boom do Real que não se via melhora tão acentuada”, enfatiza o economista.

Na avaliação do professor da FGV os dados, além de surpreendentes, embutem uma incógnita: “Chama a atenção o fato de que enquanto as contas nacionais apontam crescimento do PIB per capita para o mesmo ano de apenas 2,3%, a estatística equivalente da Pnad indica expansão de 9,16% – três a quatro vezes mais. Os dados da Pnad mostram um crescimento que não tem nada a dever no último ano ao observado na China e que se contrapõem violentamente aos do PIB”, diz.

Marcelo Neri enfatiza que até mesmo o índice de Gini – que mede o grau de desigualdade existente na distribuição de indivíduos segundo a renda domiciliar per capita – que tinha desacelerado sua queda em 2005, em relação a 2004, voltou a acelerar seu processo de queda em 2006. “[Foi] uma acelerada em sua queda não tão espetacular quanto a verificada em 2004. Mas como ela vem acompanhada de forte crescimento da economia, ela gera um resultado mais espetacular na redução da pobreza que em 2004 que foi de 8%; e que em 2005, de 10%. Está combinação de fatores fez com que agora em 2006 está redução chegasse aos 15% – e isto comparativamente a anos anteriores já favoráveis sobre este aspecto”.

Outro dado importante destacado pelo economista diz respeito à proporção de pessoas situadas abaixo da linha de pobreza. “A proporção de pessoas abaixo da linha de pobreza era de 22,77% em 2005. Já agora em 2006 ela caiu abaixo da barreira dos 20%, ao se situar em 19,31 – uma marca histórica. Em 1993, antes da estabilização da economia ela chegou a estar em 35%. Isto significa que a gente caiu 45% neste espaço de tempo”, conclui Neri.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum