O que o brasileiro pensa?
10 de setembro de 2007, 16h16

Encontro avalia primeiro ano da Lei Maria da Penha

Fórum Feminista de Enfrentamento à Violência Contra as Mulheres realiza debate no dia 20 para avaliar o primeiro ano da Lei Maria da Penha e seus desafios

Fórum Feminista de Enfrentamento à Violência Contra as Mulheres realiza debate no dia 20 para avaliar o primeiro ano da Lei Maria da Penha e seus desafios

Por Redação

Em vigor desde o dia 7 de agosto de 2006, a Lei de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, ou “Lei Maria da Penha”, terá seminário para avaliar as respostas do Estado, após um ano de vigência da lei. O Seminário “Um ano de Vigência da Lei Maria da Penha”, acontecerá no auditório do Ministério Público, em São Paulo, no dia 22 de

O nome da lei é uma homenagem a Maria da Penha Maia, agredida pelo marido, professor universitário, durante seis anos. Em 1983, por duas vezes, ele tentou assassiná-la. Na primeira, com arma de fogo, deixando-a paraplégica e, na segunda, por eletrocussão e afogamento. O ex-marido de Maria da Penha só foi punido depois de 19 anos de julgamento e ficou apenas dois anos em regime fechado.

A sanção da lei alterou o Código Penal brasileiro, possibilitando que os agressores das mulheres sejam presos em flagrante ou tenham sua prisão preventiva decretada. Os agressores, também, deixaram de receber penas consideradas brandas, como o pagamento de multas e prestação de serviços comunitários.

Segundo Maria Amélia de Almeida Teles, da União de Mulheres de São Paulo, a lei Maria da Penha foi uma valiosa conquista, “após 30 anos de lutas sobre a questão da violência de gênero”. Maria Amélia é membro do Fórum Feminista de Enfrentamento à Violência Contra as Mulheres. Ela afirma que a lei prevê “o tratamento digno a mulher agredida e políticas públicas para reinserir o agressor na sociedade, o reeducando, porém ambas as frentes que a lei busca atingir não estão sendo alcançadas”.

Para que a lei seja cumprida no seu âmbito, Maria Amélia aposta na integração “de várias instancias do poder e de políticas públicas que façam com que os agentes do Estado saibam lidar com a atenção necessária à situação de agressão à mulher”.

Confira a programação:

Seminário “Um Ano de Vigência da Lei Maria da Penha” Debate sobre as respostas do Estado

Realização: Fórum Feminista de Enfrentamento à Violência Contra as Mulheres Local: Ministério Público Estadual – Auditório Queiroz Filho
Rua Riachuelo, 115 (entrada pela Avenida Brigadeiro Luis Antônio, 35)
Centro (estação Sé do metrô), São Paulo
Dia 20 de setembro – 5ª feira
8h30 Credenciamento e café da manhã
9h Mesa de abertura
A responsabilidade do Estado na plena implementação da Lei Maria da Penha
Rodrigo Pinho – procurador-geral do Ministério Público de SP
Celso Limongi – presidente do Tribunal de Justiça
Luiz Antonio Marrey – secretário de Estado da Justiça e da Defesa da Cidadania
Ronaldo Augusto Marzagão – secretário de Estado da Segurança Pública
Vaz de Lima – presidente da Assembléia Legislativa /SP
Maria Berenice Dias – desembargadora do Tribunal de Justiça do RS
Aparecida Gonçalves – subsecretária da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres (aguardando confirmação)
Maria Amélia de Almeida Teles – Fórum Feminista de Enfrentamento à Violência Contra as Mulheres
Debate
11h Mesa 2
Os desafios do 1º ano de vigência da Lei Maria da Penha
Juliana Belloque – Defensora Pública
Eliane Vendramine
– Promotora de Justiça
Celi Paulino Carlota – Delegada Titular da 1ª Delegacia
Lenira Silveira – Psicóloga da Casa Eliane de Grammont
Debate
13h Almoço
14h Mesa 3
Diagnóstico do 1º ano de vigência da Lei Maria da Penha
(elaborado pelos Centros de Referência)
14h30 Trabalhos em Grupos (Lei Maria da Penha: obstáculos, soluções e propostas)
16h30 Síntese das propostas formuladas pelos grupos
17h30 Encerramento


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum