Fórum Educação
07 de novembro de 2019, 14h44

Erro da polícia adiou por 7 meses que investigação do caso Marielle chegasse ao condomínio de Bolsonaro

Declaração foi feita pelo delegado Giniton Lages, que foi afastado das investigações sobre o assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes em março, após a prisão de Ronnie Lessa e Élcio Queiroz

Ronnie Lessa (D) e a ação da PM no condomínio Vivendas da Barra para prendê-lo (Reprodução/TV Globo)

Em depoimento à Justiça, o delegado Giniton Lages, que foi afastado das investigações sobre o assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes em março, após a prisão de Ronnie Lessa e Élcio Queiroz, afirmou que um erro dos policiais na análise de imagens sobre o trajeto do carro dos acusados adiou por 7 meses a inclusão do condomínio Vivendas da Barra, onde mora o presidente Jair Bolsonaro, no caso.

“[A rota que os criminosos percorreram antes do Itanhangá] Era uma incógnita até setembro, outubro de 2018. Até que entra uma informação que resolvia a equação. O carro saiu do quebra-mar”, disse, segundo informações da Folha de S.Paulo, antes de ressaltar o grande erro cometido pelos investigadores.

“A equipe cometeu o maior pecado de uma investigação, que foi chegar até o quebra-mar e não seguir para trás. Acreditou demais em sua própria ‘expertise’. Quando levaram a imagem para análise, tinham que ter a certeza que o carro não passou. Eles não perceberam um defeito de Codec [programas utilizados para codificar e decodificar arquivos de mídia] naquela imagem”, afirmou.

Lages disse ainda que os policiais não são especialistas no assunto e, por esse motivo, não detectaram o carro nas imagens.

Tinham que pedir a um especialista para olhar com outros olhos. [O especialista] Teria visto o carro em março [de 2018]. E aí toda a energia iria para a praia. E muito provavelmente pegaríamos eles entrando no carro, o carro parado há mais tempo. Teríamos outras informações que não temos hoje”.

De acordo com o Ministério Público, Élcio entrou às 17h07 no condomínio, na orla. A câmera no quebra-mar identificou a passagem do Cobalt às 17h24. O trajeto entre o Vivendas da Barra e o ponto da primeira visualização do veículo é de cerca de sete minutos.

O delegado deixou claro que o objetivo da busca era descobrir se o veículo usado no crime saiu diretamente do condomínio de Lessa ou se eles embarcaram nele em outro local.

Notícias relacionadas


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum