Fórumcast, o podcast da Fórum
21 de outubro de 2014, 09h45

“Estamos tratando aqui de não deixar eles voltarem”, diz Dilma em ato em SP

Em clima de festa após bons resultados das pesquisas, a presidenta classificou o projeto de seu adversário como "política que olha para o país de forma irresponsável". "Não vamos deixar", disse, arrancando aplausos e gritos da plateia.

Em clima de festa após bons resultados das pesquisas, a presidenta classificou o projeto de seu adversário como “política que olha para o país de forma irresponsável”. “Não vamos deixar”, disse, arrancando aplausos e gritos da plateia

Texto e foto por Anna Beatriz Anjos

Na noite desta segunda-feira (21), artistas, intelectuais e políticos realizaram ato pró-Dilma Rousseff no teatro Tuca, em São Paulo. Embalada pela virada apontada mais cedo pelo Datafolha, a presidenta fez questão de marcar a diferença entre o seu projeto e o da candidatura tucana, representada por Aécio Neves.

“Essa mania que eles têm de nos condenar, literalmente, sempre, como se tivessem esse poder. De dizer: ‘o Brasil é uma catástrofe, o Brasil não vai dar certo’. Não é para criar barreiras, é porque eles pensam o Brasil pequeno mesmo, sempre pensaram”, declarou a petista em um palco repleto de apoiadores, dentre eles o ex-presidente Lula; o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad; a ministra da Cultura, Marta Suplicy, o ex-presidente do PSB, Roberto Amaral, e o ex-ministro do governo FHC. Bresser Pereira.

Sem negar a polarização entre PT e PSDB, Dilma citou a política externa como ponto de divergência entre governos petistas e tucanos. “Se vocês tiverem a curiosidade de olhar o programa deles, verão que é a velha política de se atrelar gratuitamente aos países desenvolvidos, nunca afirmando o Brasil como uma potência, sempre entregando o Brasil. Querem voltar à Alca. São capazes de menosprezar o Mercosul e a América Latina, não olham a importância dos BRICs. É muito interessante o fato de que volta a mesma tônica de sempre”, afirmou.

O ápice do discurso ocorreu quando Dilma disse que o foco da atual disputa é impedir que o PSDB retome o poder. “Nós estamos tratando aqui de não deixar eles voltarem. Não deixar voltar uma política que olha para o país de forma irresponsável”, destacou a presidenta, aplaudida em pé pelas mais de 600 pessoas que lotavam o auditório.

Crise da água

Como já havia feito em seus últimos programas de TV e nos debates mais recentes, a petista trouxe à tona a crise hídrica que atinge o estado de São Paulo. “Acho que essa vai ser uma questão do fim dessa campanha”, colocou. Ela comparou o atual quadro ao racionamento de energia forçado pelo governo FHC entre 2001 e 2002. “Aqui em São Paulo, mais uma vez se mostram as consequências da visão que é contra o planejamento e que não tem responsabilidade com a questão pública do abastecimento fundamental para a população”, considerou. “Não há como confundir os fatos. A água é atribuição constitucional de estados e municípios, não da União.”

Dilma criticou, inclusive, a postura da imprensa tradicional em relação à falta d’água. “É a crônica de uma morte anunciada. Ninguém da imprensa hoje pode ficar surpreso que está faltando água em São Paulo. A situação de hoje é a mesma de um mês atrás. Há aí o mesmo problema do racionamento: a incapacidade de gestão, absolutamente às claras, de um grupo político que pretendo dirigir o país. Que pretende, porque não vamos deixar”, disse.

Clima de festa

O evento foi marcado, do começo ao fim, pela euforia de quem estava presente. No interior do teatro, símbolo de resistência à ditadura militar, mais de dez manifestos de apoio à presidenta foram entregues. Artistas e intelectuais, geógrafos, economistas, pesquisadores de cultura, além de profissionais e alunos da Unicamp, UFABC e Unifesp redigiram documentos declarando voto em Dilma.

Ao final dos discursos, a presidenta cumprimentou a multidão que a esperava do lado de fora do teatro. Ao som de “quem não pula é tucano”, Dilma acompanhou a militância, que gritava, aplaudia e balançava bandeiras vermelhas.

Do lado de fora do teatro, uma multidão apoiava Dilma (Foto: Repdoução/Facebook)

Do lado de fora do teatro, uma multidão apoiava Dilma (Foto: Reprooução/Facebook)


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum