Fórumcast, o podcast da Fórum
20 de agosto de 2016, 16h44

Aumenta número de estudantes negros e de baixa renda em universidades federais

O relatório do estudo mostra que o número de estudantes negros e das classes D e E matriculados em universidades federais aumentou.

O relatório do estudo mostra que o número de estudantes autodeclarados pretos e pardos matriculados em universidades federais chegou a 37% em 2014, enquanto o de alunos das faixas mais baixas de renda chegou a 67%. Entre as causas da melhora figura a Lei de cotas e perfil de estudantes que prestam ENEM

Por Redação

O perfil de estudantes nas universidades federais brasileiras está mudando, com a inclusão de mais estudantes negros e de faixas mais baixas de renda. É o que diz relatório da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes).

Segundo a pesquisa, o número de estudantes autodeclarados pretos ou pardos aumentou de 28% para 37% de entre 2003 e 2014. Além disso, os dados analisados mostram que, de 2010 à 2014, o número de alunos com renda inferior a três salários mínimos (R$ 2.640) aumentou de 40,66% para 51,43%, enquanto alunos com renda entre R$ 7.920 e R$8.800 (9-10 salários mínimos) caiu de 6,57% para 2,96%. O número de alunos com renda superior a dez salários também caiu e foi de 16,72% em 2010 para 10,6% em 2014.

Entre os fatores que podem explicar a mudança, o relatório cita como principais a Lei de Cotas, de 2012, e a mudança no perfil de alunos que prestam o ENEM anualmente, associado ao crescimento do número de universidades que adotaram o Sistema Único de Seleção Unificada (SISU).

Segundo Ângela Paiva Cruz, presidenta da associação, os dados evidenciam que o mito de que universidade federal seria para as elites começa a cair. Mas a presidenta admite que ainda há muito a ser feito, haja vista o baixo índice de jovens matriculados no ensino superior: atualmente, o Brasil conta com 17% da população jovem cursando graduação.

Um dos professores responsável por coordenar as pesquisas, Paulo Márcio de Faria e Silva, afirmou que o ingresso de negros e das classes D e E nas universidades federais deve aumentar, também, sua participação no mercado de trabalho.

Confira o relatório na integra aqui.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum