Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
19 de agosto de 2019, 16h41

Estudo mostra que golpe reduziu investimentos na Petrobras e deixou 33 mil desempregados em Campos

Gráficos do Dieese mostram queda de 28% na produção média entre 2015 e 2018; houve ainda a demissão de 33 mil funcionários no mesmo período

Foto: Divulgação/Petrobras

Análises sobre a produção de petróleo e oferta de empregos na Bacia de Campos, importante reserva situada na costa norte do Rio de Janeiro, mostram que a Bacia foi diretamente impactada pelo contexto político do golpe de 2016 e dos desdobramentos da Lava Jato. Gráficos do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) mostram queda significativa na produção média, passando de 1,8 milhões boe/dia em 2015 para 1,3 milhões boe/dia em 2018, em redução de 28%. Houve também a demissão de 33 mil funcionários no mesmo período.

Ainda segundo as estimativas do Dieese, os investimentos da Petrobras de 2013 a 2018 reduziram 55% no Pré-Sal, 62% na Bacia de Campos e 64% na área do Pós-Sal total do Brasil.

“Para entender declínio da produção da Bacia de Campos, não se deve apenas creditar a fatores naturais, mas principalmente a falta de investimento das últimas gestões nos campos maduros de petróleo. Estes campos são operados pela Petrobrás e sua média de investimentos em 2016 e 2017 foram 60% menores do que a média dos investimentos de 2010 a 2015. Não é à toa que a produção destes campos cai a partir de 2016”, informa o documento.

Os royalties e participações especiais na região do Norte Fluminense, onde está localizada a Bacia de Campos, também tiveram uma queda brusca a partir de 2015, a qual o documento explica por dois fatores. O primeiro deles é a queda dos preços internacionais de petróleo, e o segundo a queda da produção da Bacia de Campos. Segundo estimativas do Dieese, a perda de royalties na região do Norte Fluminense poderia ter sido amenizada de 2016 a 2018 em R$ 1,1 bilhões com a manutenção dos investimentos da Petrobras.

Outro dado importante que o documento destaca é a redução drástica do número de trabalhadores na Bacia em questão. De 2014 a 2018 a redução dos trabalhadores da Petrobras no Norte Fluminense foi de 3.526 próprios e de 29.743 terceirizados, representando uma redução média de 55% do efetivo.

O coordenador da Federação Única dos Petroleiros (FUP), José Maria Rangel, considera que os números são fruto de uma política de criminalização do desenvolvimento da Petrobras. “A queda dos investimentos é fruto de uma visão da Petrobras que, em última instância, criminalizou o processo de desenvolvimento da empresa. A queda dos investimentos atualmente é uma consequência da lava-jato na medida que a Petrobras passou incomodar gigantes do setor, como Exxon, Shell e outras”, declarou.

Rangel considera que há um forte contraste com o papel da empresa nos governo petistas, que enxergavam a estatal como uma peça importante no cenário internacional. “As políticas executadas ao longo dos governos do PT, principalmente governo Lula, alteraram a dimensão da Petrobras na geopolítica global. A empresa deixou de ser um importante ator nacional para se tornar uma petrolífera central na disputa com as gigantes do setor. Para isso, a empresa investiu pesado em varias frentes como a petroquímica, o refino e em especial na produção. Isso alavancou a produção nacional em todas as áreas”, afirmou.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum