Ex-pastor desabafa depois de sair do armário: “não confunda bissexualidade com pedofilia”

Felipe Heiderich foi às redes comentar sobre a sua sexualidade e afirmou que não fazia ideia do tamanho do ódio direcionado ao público LGBTQIA+

O ex-pastor Felipe Heiderich postou um vídeo em seu Instagram onde fez um longo desabafo sobre a sua bissexualidade. Na publicação, ele comenta sobre as dificuldades, críticas e ofensas das quais tem sido alvo desde que assumiu a sua bissexualidade e o namoro com o youtuber Bruno de Simone.

“As notícias recentes sobre a minha sexualidade são verdadeiras. Estou namorando um rapaz e para mim está tudo bem. Se você não concorda, tudo bem. Eu posso não concordar com muitas outras coisas, só respeite. Se você acha que estou em pecado, ore por mim, se você não consegue acreditar em mais nada do que falo da Bíblia, tudo bem também. Eu sempre vou continuar falando. Deu te abençoe”, disse.

Em outro momento, Heiderich afirmou que muitos de seus seguidores “estão esperando uma declaração minha depois de tudo o que aconteceu. Quero começar dizendo que o maior conselho que recebi das pessoas foi ‘se mantenha no armário’, ‘fica escondido’, ‘mantenha sua vida com outra pessoa, sem ninguém saber, tanta gente faz isso’, ‘não manche sua imagem pública”.

Heiderich também afirmou que vai tomar medidas legais contra aqueles que o acusam de ser de pedófilo. “Não confunda bissexualidade e homossexualidade com pedofilia, porque isso vai falar quem você é. A partir do momento que você voltar a me chamar de pedófilo, de uma coisa que eu já fui extremamente absolvido em todas as instâncias, haverá um acionamento judicial não só meu, mas de toda a comunidade LGBT que entende que, segundo as pesquisas, a maioria dos pedófilos são heterossexuais”.

Sobre os ataques de ódio que sofreu, Heiderich disse que não imaginava “que seria assim” e que não “fazia ideia do que o público LGBTQIA+ sofria. Sofrer isso na pele é algo que não desejo a ninguém. Por isso entendo quando eles dizem que se pudessem não seriam assim, porque o ser humano tem uma incrível capacidade de ser cruel. Meu sincero desejo de que você nunca tenha que passar por isso”.

Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).