Fórumcast, o podcast da Fórum
08 de fevereiro de 2015, 16h51

Facebook e LinkedIn se unem para aumentar participação feminina na área da tecnologia

Gigantes do Vale do Silício lançaram programa para incentivar universitárias a se envolverem mais no campo; atualmente, empresas de tecnologia são dominadas por homens.

Gigantes do Vale do Silício lançaram programa para incentivar universitárias a se envolverem mais no campo; atualmente, empresas de tecnologia são dominadas por homens

Por Redação*

Na última sexta-feira (6), Facebook e LinkedIn anunciaram um projeto conjunto que busca elevar o número de mulheres estudantes de engenharia e ciência da computação, a fim de que ocupem mais vagas no Vale do Silício, hoje dominado por homens.

Segundo levantamento de dados sobre diversidade divulgado pelo Facebook no ano passado, apenas 15% dos funcionários da empresa em postos relacionados à tecnologia são mulheres. No LinkedIn, elas representam somente 17% dos empregados da área. No restante das companhias do Vale do Silício, esse é praticamente o cenário padrão.

O programa pretende criar grupos de estudos em universidades, coordenados por tutores, na tentativa de envolver mais alunas no campo da tecnologia, além de prepará-las para serem funcionárias das corporações responsáveis pela iniciativa. A expectativa é que, em pouco tempo, ela se globalize, com grupos de estudos em instituições públicas e privadas.

Veja também:  Preta Ferreira tem habeas corpus negado pela Justiça

A LeanIn.org, ONG de Sheryl Sandberg, chefe de operações do Facebook, irá fornecer uma plataforma para os grupos de apoio às estudantes. “Muitos de nossos consumidores, pelo menos metade deles, às vezes mais, são mulheres”, disse Sandberg em entrevista à Associated Press. “Nós construímos um produto que dá às pessoas uma voz, e sabemos que não podemos construir um produto para o mundo, a menos que nossas equipes reflitam a diversidade das pessoas que usam esse produto.”

Para Telle Whitney, presidente e CEO do Instituto Anita Borg, parceiro no projeto, quando a diversidade é maior, a qualidade do produto também é elevada a outro patamar. “Pense bem: se todo mundo que cria um produto tem a mesma aparência, você sabe que os resultados não serão tão interessantes. Nós queremos, para o bem do nosso futuro, que as mulheres se envolvam em todos os projetos que pretendem mudar nossas vidas”, afirmou à AP.

Leia também: Tecnologia – Isso também é para elas

*Com informações da Associated Press e do jornal O Globo

(Foto de capa: Reprodução/Facebook)


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum