Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
06 de fevereiro de 2020, 11h24

Fake News de combate à corrupção de Bolsonaro são desmascaradas pelo El País

Segundo a OCDE e a Transparência Internacional, as recentes decisões tomadas pelo Estado brasileiro com respeito à corrução mostram um retrocesso nos avanços dos últimos anos

Moro e Bolsonaro - Foto: Marcos Corrêa/PR

“Acabar com a corrução” é uma das promessas mais conhecidas do discurso de Jair Bolsonaro, e pela qual ele escolheu para o Ministério da Justiça o juiz Sergio Moro, idolatrado pela direita e pela elite brasileira como herói nacional nesse quesito.

Porém, uma reportagem do jornal espanhol El País mostra as decisões do governo liderado por esses dois paladinos da não encaminham o país na direção correta dessa missão, segundo os padrões internacionais de transparência e combate à corrupção. A matéria é baseada em informes de organizações como a Transparência Internacional e a OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), também conhecido como o “clube dos países mais ricos do mundo”, ao qual Bolsonaro sonha em inserir o Brasil.

Por exemplo, a OCDE publicou um informe recente, após uma visita à Brasília de um grupo de trabalho sobre o tema da corrupção, realizada em novembro de 2019. O relatório mostra uma grande preocupação dos analistas da entidade com relação ao que acontece no Brasil no que diz respeito ao combate à corrupção.

“Estamos bastante alarmados, porque tudo o que o Brasil havia melhorado nos últimos anos com respeito ao combate à corrução pode ser seriamente comprometido”, afirma um dos trechos do documento produzido pelos analistas OCDE. A missão também reclama que os organismos brasileiros deveriam trabalhar para “reforçar os mecanismos anticorrupção, e não para fragilizá-los”.

A matéria do El País lembra que o Brasil ficou novamente com a pior nota no exame de percepção da corrupção no mundo, difundido pela ONG Transparência Internacional. O país tem apenas 35 pontos nesse ranking, e está no posto 106, de uma lista liderada pela Dinamarca. “Apesar do discurso e das promessas de grande renovação por parte do presidente (Bolsonaro), dos congressistas e dos senadores, 2019 foi um ano péssimo em termos de reformas contra a corrupção”, segundo Bruno Brandão, diretor executivo da entidade no Brasil, em entrevista ao meio espanhol.

Para justificar seu argumento, Brandão lembra das contradições de Bolsonaro, como sua hostilidade contra a imprensa e a sociedade civil, “cuja força é crucial para pressionar em favor do combate à corrupção”, comenta o diretor.

Outro temor bastante claro tanto da Transparência Internacional quanto da OCDE são as manobras de Bolsonaro para proteger seu filho, o senador Flávio Bolsonaro.

No informe da OCDE é citada como exemplo uma decisão tomada pelo presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Dias Toffoli, que paralisou a investigação contra Flávio. Segundo os analistas, essa medida, além de ser preocupante pelo fato de se tratar de uma possível blindagem ao filho do presidente, ainda teve o poder de limitar outros 900 casos de lavagem de dinheiro, ao cercear a atuação o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) órgão responsável por fiscalizar esse tipo de operação.

A Transparência Internacional também criticou a decisão do STF. “Isso teve um impacto sistêmico, paralisou praticamente todo o sistema de combate à lavagem de dinheiro durante meio ano”, explicou Bruno Brandão, diretor executivo da entidade no Brasil, em entrevista ao meio espanhol. Ele também recordou que a medida de Toffoli foi derrubada por seus colegas, meses depois.

Segundo Brandão, os três poderes no Brasil têm sido responsáveis por retrocessos graves, e cita as interferências políticas em nomeações e destituições de cargos relacionados à luta contra a corrução como “o pior deste governo”.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum