Falsificação de delação: Juristas pela Democracia também vão ao CNMP contra Dallagnol

Diálogos da operação Spoofing mostram que Dallganol e Athayde Ribeiro Costa teriam manipulado delação de ex-diretor da Petrobras para incluir o PT

A Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD) foi mais uma entidade a acionar o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), nesta segunda-feira (18), contra Deltan Dallagnol e Athayde Ribeiro Costa. O motivo são as revelações, feitas pelo Diário do Centro do Mundo (DCM) a partir de diálogos da Operação Spoofing, da Polícia Federal (PF), que mostram que os procuradores teriam negociado os termos da delação premiada do ex-executivo da Petrobras, Pedro Barusco, para incluir o PT.

Composta por juízes, desembargadores, advogados, defensores públicos, procuradores e defensores, a ABJD pede, através de uma reclamação disciplinar, que Dallganol e Ribeiro Costa sejam punidos pelo CNMP por terem infringido o artigo 80 do Código de Processo Civil e “cometerem abuso de direito, violação dos deveres de lealdade processual e de comportamento ético, além de desvirtuar o próprio postulado da ampla defesa”.

Para a entidade afirma que os procuradores podem ter cometido falsificação “para prejudicar um ou mais acusados, com claras intenções políticas”, o que, segundo os juristas, configura diversos crimes, inclusive passíveis de prisão, “e vem compor a série de revelações já feitas de um dos maiores escândalos já vistos na história da justiça criminal brasileira”. “O caso é gravíssimo e requer apurações para eventual responsabilização dos culpados. É do interesse de toda a sociedade que o caso seja investigado rigorosamente”, afirmam.

De acordo com as revelações feitas pelo DCM, Deltan e Athayde elaboraram declaração falsa ou diversa da que devia ser escrita, com o fim de prejudicar direito, criar obrigação ou alterar a verdade sobre fato juridicamente relevante. “A conduta agrava-se por ter sido cometida por funcionários públicos, prevalecendo-se do cargo”, ressalta a reclamação da ABDJ encaminhada ao CNMP.

“Todo o debate que ora ocorre no Congresso Nacional no âmbito da PEC 05/2021 demonstra a necessidade de que esse órgão de controle demonstre, de fato, sua independência para investigar desvios de condutas de membros da carreira. O que está em jogo não é apenas as condutas dos procuradores da República no âmbito da força-tarefa da operação Lava Jato, mas, a depender de como reaja, a própria instituição Ministério Público”, dizem ainda os juristas.

Outra reclamação

Também nesta segunda-feira (18), os deputados federais Rui Falcão e Paulo Teixeira, ambos do PT-SP, com o apoio dos advogados Marco Aurélio de Carvalho, Fernando Hideo Lacerda e Fabiano Silva dos Santos, do Grupo Prerrogativas, ingressaram com outra reclamação disciplinar no CNMP contra Dallagnol e Athayde Riberio Costa pelo mesmo motivo.

“Trata-se de uma reclamação disciplinar contra os dois procuradores, por conta da fabricação de uma delação, com objetivos políticos e notadamente eleitorais. Já passou da hora de a gente enfrentar a vulgarização do instituto da delação para, inclusive, conseguir, como efeito pedagógico, a responsabilização dos procuradores que estiveram à frente desses procedimentos”, declarou Marco Aurélio à Fórum.

“A forma criminosa e irresponsável como alguns procuradores conduziram determinadas delações tem que ser objeto de procedimentos investigatórios, com a consequente responsabilização civil e criminal de todos os envolvidos”, acrescentou o advogado do Prerrogativas.

Publicidade

Segundo o texto da reclamação disciplinar, a conduta dos procuradores reforçou a necessidade de se aprovar a PEC 5/21, que altera a composição do Ministério Público (MP) e dá a possibilidade de o Parlamento indicar integrantes para o conselho do órgão.

“O comportamento dos procuradores e a inércia do CNMP só reforçam a importância do debate e da aprovação da PEC número 5, que está, neste momento, sendo discutida no Congresso Nacional”, ratificou Marco Aurélio.

Publicidade

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR