Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
02 de fevereiro de 2012, 09h48

Famílias brasileiras gastam mais em saúde que o Estado

Uma pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com base no período entre 2000 e 2005, revelou que a situação da saúde pública brasileira está em um nível muito abaixo do razoável. Isso porque o estudo denominado “Economia da Saúde: uma perspectiva macroeconômica 2000-2005 ” mostra que, na contramão do que ocorre em países desenvolvidos, as famílias brasileiras são as principais responsáveis pelos gastos com saúde.

O IBGE realizou a pesquisa em parceria com o Ministério da Saúde, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), a Agência Nacional de Saúde Suplementar e o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Segundo o levantamento, em 2005, as atividades ligadas à saúde geraram R$ 97 bilhões, o que representou 5,3% da economia brasileira, e criou 3,9 milhões de postos de trabalho. Desse montante, a saúde pública representou 33,4%. Também tiveram importantes contribuições para esse valor, os itens outras atividades relacionadas com a atenção à saúde (20,4%) e a fabricação de produtos farmacêuticos (13,3%).

Outro dado preocupante do estudo é a diminuição percentual do valor gerado pela saúde com relação ao total da economia. De 5,7% em 2000, passou para 5,3% em 2005. A média ao longo da série foi de 5,5%. Essas porcentagens referem-se ao chamado valor adicionado, referente à quantia que o setor de saúde acrescentou à economia brasileira. Nesse cálculo, exclui-se as despesas com a manutenção de hospitais, por exemplo, e o pagamento de impostos que sobre eles incidem.

Saúde e PIB
Já a despesa de consumo final com bens e serviços de saúde, revela qual foi o gasto bruto no setor. Em 2005, chegou a R$ 171,6 bilhões, representando 8% do Produto Interno Bruto (PIB). Esse valor foi dividido entre as famílias (60,2%), as administrações públicas (38,8%) e as instituições sem fins lucrativos a serviço das famílias (ISFL, 1%).
O gasto público com saúde foi equivalente a 3,1% do PIB em 2005, e, na média da série histórica do estudo, foi de 3,2%. O gasto familiar foi de 4,8% em 2005, e 4,9% do PIB, em média, entre 2000 e 2005.

Em relação ao gasto das famílias, a compra de medicamentos aparece como o principal gasto (35%), seguido pelas despesas com laboratórios, consultas e outros serviços não-hospitalares (34%), serviços hospitalares (19%) e planos ou seguros de saúde (8%). Com base nesses números, não é de se estranhar o bom desempenho econômico da indústria farmacêutica ao longo da série analisada pelo estudo. Mesmo apresentando uma retração entre 2001 e 2003, o setor voltou a crescer em 2004 (3,5%), e teve um incremento vertiginoso em 2005 (12,5%).

Sistema injusto
Para a pesquisadora da Fiocruz, Maria Angélica Borges dos Santos, que participou da análise do estudo “Economia da Saúde”, o modelo de saúde brasileiro privilegia os pacientes com maior poder aquisitivo, pela falta de um sistema público realmente universal. “Um sistema de saúde onde predomina o gasto privado tende a ser mais desigual do que um sistema com financiamento predominantemente público. Ou seja, nesse tipo de sistema as pessoas têm acessos a bens e serviços de saúde ligados a seu poder de compra desses bens e serviços. Em países desenvolvidos, como os que compõem a OCDE [Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico], que são também os mais ricos do mundo, os governos são responsáveis, em média, por 70 a 80 % dos gastos em saúde”, compara a pesquisadora.

Questionada se o aumento da compra de remédios, pelo poder público, seria uma medida eficaz para reverter esse quadro, a pesquisadora afirma que ela não seria suficiente, mesmo que, hoje, o gasto com medicamentos comprometa a maior parte do orçamento familiar com saúde. “Não adianta muito aumentar as compras públicas de medicamentos sem garantir distribuição eficiente e o uso racional, vinculados a um diagnóstico correto. Por isso, não faz sentido aumentar o gasto público em medicamentos e, simultaneamente, reduzir o gasto em serviços de saúde.

No Brasil, embora a participação do governo no fornecimento de medicamentos à população venha aumentando percentualmente a cada ano – em 2005 girava em torno de algo da ordem de 10% ao ano, no máximo, 15% do total dos gastos com medicamentos -, uma boa parte desses gastos é concentrado nos medicamentos de maior custo, como os para Aids e os chamados de dispensação excepcional (remédios de uso contínuo para doenças crônicas e raras)”, explica.

Brasil de Fato


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum

#tags