Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
06 de fevereiro de 2020, 21h30

Flores ao chão: repúdio à aliança entre liberais e neonazistas leva recém-eleito a renunciar na Alemanha

Thomas Kemmerich foi eleito primeiro-ministro do Estado de Turíngia com apoio da ultradireita, e não resistiu às manifestações em todo o país contra sua aliança. Deputada da Esquerda chegou a jogar um buquê no chão, na sua frente, em protesto.

Thomas Kemmerich, diante das flores atiradas em protesto da deputada Susanne Hennig-Wellsow (Foto: reprodução/Twitter)

Há quem diga que a aliança entre o pensamento liberal e a ultradireita é mais uma “jabuticaba” brasileira. Mas ela aconteceu também na Alemanha, nesta quarta-feira (5), quando o liberal Thomas Kemmerich foi eleito primeiro-ministro do Estado de Turíngia.

A eleição de Kemmerich foi bastante surpreendente. O favorito era o representante do partido Die Linke (A Esquerda), Bodo Ramelow, candidato à reeleição, apoiado pelo SPD (sociais-democratas) e pelo Partido Verde. Na última hora, porém, o líder dos liberais, representante do partido FDP, fez uma aliança com a AfD (Alternativa para a Alemanha), partido neonazista.

FDP, como foi citado acima, não é erro de digitação, nem um trocadilho sobre a manobra de Kemmerich. Essa é realmente a sigla em alemão do Partido Democrático Liberal, que costuma ser aliado a nível nacional do CDU (União Democrata Cristã), da chanceler Angela Merkel. Aliás, o partido da chanceler também terminou votando a favor da aliança entre liberais e neonazistas em Turíngia. Que venceu por apenas um voto de diferença.

O resultado provocou um repúdio social enorme na Alemanha, tanto em tamanho quanto em velocidade. Ainda na noite de quarta-feira, milhares de pessoas de manifestaram em frente às sedes do FDP e do CDU, não só em Turíngia como em cidades como Berlim, Munique, Hamburgo, Frankfurt e outras. Alguns cartazes acusavam os partidos de serem “cúmplices do fascismo”.

A ação que despertou toda a onda de indignação contra o resultado foi da deputada Susanne Hennig-Wellsow, do Die Linke. Pela tradição, os deputados do Parlamento de Turíngia devem ir cumprimentar o eleito após o fim da sessão, mas a deputada tinha outros planos. Ela até foi até o palco onde estava Kemmerich com um buquê de flores, atirou-o aos pés do líder dos liberais, e deu meia volta sem sequer olhar na sua cara.

Outra reação chamativa sobre a vitória de Kemmerich foi a do seu adversário, Bodo Ramelow, que postou um tuíte com uma citação histórica que aumentou ainda mais a controvérsia do resultado: “`Conseguimos o melhor resultado na Turíngia. Hoje, somos realmente o partido determinante por lá (…) Os partidos que formavam o governo na Turíngia até agora não conseguirão mais formar maioria sem a nossa contribuição´. Adolf Hitler, 02/02/1930”, recordou o líder da Esquerda.

Mas Kemmerich não suportou nem 24 dessa pressão popular. Nesta quinta-feira (6), ele renunciou ao cargo que conquistou ontem, e dissolveu o parlamento, o que obrigará o Estado de Turíngia a ter novas eleições legislativas, para escolher outro parlamento.

Após a decisão, o próprio Kemmerich tentou limpar sua imagem, dizendo que “jamais houve cooperação (dos liberais) com o AfD, e tampouco haverá”.

Por sua parte, a chanceler Angela Merkel também se referiu ao episódio, classificando-o como “imperdoável”, e afirmando que devemos nos opor firmemente ao discurso dos extremistas, ou não seremos livres” – só esqueceu de fazer a autocrítica, já que os representantes do seu partido em Turíngia apoiaram a aliança de Kemmerich.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum