Fórumcast, o podcast da Fórum
14 de setembro de 2019, 21h51

Gal Costa teme ditadura do governo Bolsonaro: “A gente que viveu na época da ditadura tem medo que volte”

Cantora também comentou a tentativa de censura na Bienal do Livro do Rio de Janeiro, quando o prefeito Marcelo Crivella mandou fiscais para recolherem HQ com beijo gay

A cantora Gal Costa disse em entrevista que tomou um susto com a tentativa de censura na Bienal do Livro do Rio de Janeiro e que teme que a ditadura volte.

Ao Estadão, a cantora e um dos maiores nomes da MPB falou sobre a turnê de seu último disco, A Pele do Futuro, e sobre os tempos que estamos vivendo hoje. Gal fez parte da Tropicália, um dos movimentos mais importantes da música brasileira e que bateu de frente com a Ditadura Militar.

“Quando eu assisti pela televisão que o Crivella tinha censurado o beijo de dois homens na Bienal do Rio, que eu vi as pessoas falando que ele tinha permitido vender os livros num invólucro preto, me lembrei do Índia“, disse a cantora. O disco Índia de Gal saiu nos anos 1970 e foi censurado, sendo comercializado em plástico preto.

“Tomei um susto”, continua, “porque me veio essa lembrança, e aí achei uma coisa horrorosa, porque, com o governo federal que a gente tem hoje, a gente fica assustada com as declarações, com a maneira como as coisas são tratadas.”

Gal Costa também expressou um temor que é tão dela quanto de qualquer outra pessoa que viveu a Ditadura Militar: “A gente que viveu na época da ditadura tem medo que isso volte, está aí na atmosfera. Mas o povo  brasileiro hoje está mais atento, tem mídias digitais, a gente sabe tudo o que está acontecendo na hora, e portanto a gente sabe que as pessoas se mobilizam em outros Estados.”

Ela assegura: “As instituições democráticas são mais consolidadas, fortes, a ditadura não vai se implantar. A gente tem que ficar atento, não pode deixar isso acontecer, e o papel dos artistas neste momento é fundamental.”

“É preciso estar atento”

Um ano após a AI-5, Gal Costa lançou seu primeiro disco solo: Gal Costa. Um dos destaques do álbum é a faixa Divino Maravilhoso, canção que foi recentemente regravada por Caetano Veloso – co-autor da letra – e pela cantora IZA.

Em plena ditadura, Gal cantava que é “preciso estar atento e forte”, em uma das músicas mais emblemáticas da época. Hoje, ela pede novamente para que fiquemos atentos, mas para que o cenário em que Divino Maravilhoso foi lançada não se repita.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum