Entrevista exclusiva com Lula
14 de julho de 2012, 16h35

Giannazi diz que vai ler trechos de A Privataria Tucana para Serra em debates

Em entrevista, o candidato do PSOL à prefeitura de São Paulo afirmou que o PSDB é seu “grande inimigo”

Em entrevista, o candidato do PSOL à prefeitura de São Paulo afirmou que o PSDB é seu “grande inimigo”

Por Igor Carvalho

Nesta quinta, 12, Carlos Giannazi (PSOL), candidato à prefeitura de São Paulo, foi o convidado do programa exibido semanalmente no canal da TV Fórum na Pós TV, em parceria com o Fora do Eixo. Com transmissão ao vivo pela internet, mais de 400 pessoas assistiram à entrevista, interagindo via Twitter e Facebook, com a hashtag #GiannaziAovivo.

Giannazi foi entrevistado no canal da TV Fórum da Pós TV (Foto: Fora do Eixo)

Giannazi, que também é professor e está em seu segundo mandato como deputado estadual na Assembleia Legislativa de São Paulo, foi entrevistado pelo editor da Fórum Renato Rovai,  o  jornalista e blogueiro Rodrigo Vianna, a também blogueira e professora Maria Frô, o blogueiro Eduardo Guimarães e o professor da Universidade Federal do ABC Sérgio Amadeu.

O início do programa foi marcado por uma discussão sobre governabilidade. Os entrevistadores interpelaram o candidato sobre a possibilidade de vitória em um cenário em que Giannazi não teria base na Câmara, já que hoje o PSOL não possui nenhum vereador em São Paulo. O candidato lembrou “que é possível governar sem alianças, e mesmo que as faça, teremos parâmetros éticos”. Ele também ressaltou que acredita em novas ideias para a cidade. “Acho que é possível construir um novo modelo partidário e político em São Paulo.”

Em relação aos problemas da cidade, Giannazi ressaltou que São Paulo precisa de um choque de democracia. A primeira iniciativa, caso eleito, seria eleições diretas para as subprefeituras, que hoje estão nas mãos de coronéis nomeados por Kassab.  Ele ainda defendeu a implantação de Orçamento Participativo, ciclovias e investimento em transporte público. Criticou a Operação Nova Luz, que não teve a participação da população, e que, segundo ele, privilegia interesses do mercado imobiliário.

Estendendo o assunto sobre alianças políticas, Rodrigo Vianna quis saber quem o candidato apoiaria em um eventual segundo turno entre Fernando Haddad (PT) e José Serra (PSDB). “O PSOL enquanto partido não apoiaria nem o PT nem o PSDB. Já a militância do partido, as pessoas que votam no PSOL, tomariam a decisão individualmente”, disse Giannazi. O psolista reafirmou que iria debater sobre educação e “desmascarar” adversários como Gabriel Chalita e Fernando Haddad, mas foi especialmente crítico em relação a José Serra, dizendo que levará o livro A Privataria Tucana para debater com o tucano. “Quero discutir com o Serra, fazer um debate com ele e levar A Privataria Tucana. Vou levar e ler trechos, que eu já selecionei, para ele explicar o envolvimento da família dele, da filha, do genro…”. Giannazi lembrou que “a crítica ao PT é pela esquerda, mas nosso grande inimigo aqui é o PSDB.”

O candidato falou também sobre inclusão de alunos especiais, portadores de algum tipo de deficiência, nas escolas. Disse ser “falsa” a afirmação de que há projetos de inclusão em São Paulo e lembrou que “apenas sete das 2 mil escolas de São Paulo estão preparadas para receber essas crianças.” O também professor Alexandre Schneider, vice de José Serra na chapa do PSDB, estava assistindo à transmissão e rebateu a informação pelo Twitter: ”talvez ele esteja mal informado. O pior, a política não é só do PSD/PSDB, é da Rede. De qualquer forma, mande um abraço a ele”, disse à blogueira Maria Frô.

O possível enfrentamento com a mídia comercial também foi pauta. Para Giannazi, “temos uma mídia fascista, comercial e que tem seus interesses ligados ao capital.” Ao se despedir, o candidato falou da abertura de comunicação com a sociedade, durante o processo eleitoral. “Nossa candidatura é construída coletivamente, queremos dialogar com a população e com os internautas.”

Confira a íntegra da entrevista:


Video streaming by Ustream

 Leia também:
Luiza Erundina: o que me agrediu foi a foto, mas estou com Haddad

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum