O que o brasileiro pensa?
26 de novembro de 2019, 08h43

Guedes pediu para jornalistas não publicarem informação sobre AI-5, recebeu negativa e ironizou a fala

Irritado com a repercussão, o ministro assumiu uma postura irônica na relação com os jornalistas até mesmo quando foi indagado se Jair Bolsonaro apresentou o projeto de lei incluindo o excludente de ilicitude em operações para Garantia da Lei e da Ordem (GLO) por medo do ex-presidente Lula

Paulo Guedes (Reprodução/Youtube)

Na entrevista em Washington a jornalistas brasileiros e estrangeiros, ocorrida na noite desta segunda-feira (25), o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse, quando se pronunciou pela primeira vez sobre um novo AI-5 que estava falando em “off” – quando entrevistados pedem aos jornalistas para omitirem seu nome ou não publicarem a informação.

Blog do Rovai: 2020 vai ser pior: Guedes, o AI-5 e o projeto neoliberal como sócio do fascismo

Com a cobertura feita em tempo real, os jornalistas afirmaram que a entrevista era em “on”, ou seja, que tudo dito ali seria publicado. Mais tarde, quando perguntado sobre a possibilidade de implementação de um novo AI-5, Guedes foi irônico.

““É inconcebível, a democracia brasileira jamais admitiria, mesmo que a esquerda pegue as armas, invada tudo, quebre e derrube à força o Palácio do Planalto, jamais apoiaria o AI-5, isso é inconcebível. Não aceitaria jamais isso. Está satisfeita?”, respondeu, gesticulando os braços e mostrando irritação com a pergunta.

Questionado se estava ironizando os jornalistas, o ministro lançou nova ironia. “Isso é uma ironia ministro, o senhor está nos ironizando? De forma alguma”.

Medo do Lula
Guedes continuou a ironia ao ser indagado se Jair Bolsonaro apresentou o projeto de lei incluindo o excludente de ilicitude em operações para Garantia da Lei e da Ordem (GLO) por medo do ex-presidente Lula.

“Vem cá, o senhor está com medo do Lula? Aparentemente digo que não, ele só pediu o excludente de ilicitude. Não está com medo nenhum, coloca um excludente de ilicitude. Vamos embora”, ironizou Guedes, respondendo como se estivesse perguntando a Bolsonaro.

O ministro, que considerava o Chile como a “Suíça da América Latina”, admitiu na entrevista que Bolsonaro impôs freio ao seu projeto neoliberal após os protestos contra as políticas econômicas de governos simpáticos, como o de Sebastián Piñera no Chile, na região.

Guedes afirmou que o “instinto político” do presidente apontou que o mais prudente seria não fazer muitas reformas seguidas e repensar o “timing” proposto inicialmente, ressaltando que ele tem uma visão “um pouco diferente”.

Com informações do Valor Econômico

Notícias relacionadas


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum