Guerra das vacinas: Pazuello agora diz que vacinação pode começar em janeiro

Declaração do ministro da Saúde acontece um dia depois de parte dos governadores ameaçarem ir ao STF para exigir uso emergencial e sem aprovação da Anvisa

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, declarou, em entrevista à CNN Brasil, que a vacinação contra a Covid-19 pode acontecer entre dezembro e janeiro.

“Se a Pfizer conseguir a autorização emergencial e nos adiantar alguma entrega, isso [o início da vacinação] pode acontecer no final de dezembro e janeiro. Isso em quantidades pequenas, de uso emergencial”, disse Pazuello.

Pazuello também não descartou o uso emergencial com as candidatas da AstraZeneca/Oxford ou do Instituto Butantan (Coronavac). Mas, ressaltou que isso só vai acontecer no caso de uma autorização emergencial.

O ministro também revelou à CNN Brasil que o Plano de operacionalização de vacinação contra a covid-19 foi finalizado nesta quarta-feira e afirmou que a vacinação será incluída no Programa Nacional de Imunização e usará a logística já existente no SUS (Sistema Único de Saúde).

De acordo com Pazuello, o governo Federal vai distribuir as doses por via aérea e rodoviária até os estados.

A responsabilidade de distribuir e aplicar as vacinas nas cidades será dos governos estaduais.

Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR