Humberto Costa vai pedir para que CPI notifique companhia aérea que deixou Bolsonaro entrar em voo

Hostilizado pelos passageiros, presidente abaixou a máscara para respondê-los, assim como tripulantes; "Bolsonaro continua disseminando a Covid", diz senador

O senador Humberto Costa (PT-PE), titular da CPI que apura as omissões do governo Bolsonaro no combate à pandemia, a CPI do Genocídio, informou nesta sexta-feira (11) que vai pedir à comissão que a companhia aérea Azul seja notificada por conta da “aparição” de Jair Bolsonaro em um de seus voos, pouco antes da decolagem, no aeroporto de Vitória (ES).

No início da tarde, o presidente resolveu entrar no avião para cumprimentar tripulação e passageiros. Muitos hostilizaram o titular do Palácio do Planalto com gritos de “fora, Bolsonaro” e “genocida”, ao que ele respondeu: “Quem está falando ‘fora Bolsonaro’ deveria estar é de jegue viajando, né? ‘Fora Bolsonaro’ tem que estar viajando de jegue, não de avião, é ou não é? Para ser solidário ao candidato deles”.

A presença de Bolsonaro no avião gerou forte aglomeração e o presidente, em determinado momento, abaixou a máscara para falar.

“Vou requerer à CPI da Covid que notifique a companhia aérea que permitiu a entrada de Bolsonaro em uma de suas aeronaves, acompanhado por um segurança sem máscara, promovendo aglomeração. Bolsonaro baixou sua máscara para dirigir impropérios a passageiros que o vaiavam”, disse Humberto Costa.

“Tripulantes também baixaram suas máscaras e todos descumpriram a Resolução da ANAC que proíbe e pune esse procedimento. Bolsonaro continua disseminando a Covid 19”, completou o senador.

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR