No rastro do crime ambiental nas praias do Nordeste
28 de março de 2019, 16h44

Indígenas ocupam prédio da Prefeitura de SP em protesto contra cortes na Saúde

O grupo de índios guarani da T.I. Jaraguá espera ser recebido pelo prefeito Bruno Covas: “Estamos aqui e não voltaremos para nossa comunidade sem o nosso direito reconquistado”, diz manifesto

Fotos e vídeo: Divulgação

Um grupo de índios guarani, da aldeia Jaraguá, ocupa a sede da prefeitura de São Paulo, desde a manhã desta quarta-feira (27), no Viaduto do Chá, no Centro, em protesto contra o corte no pagamento de funcionários que prestam serviços de Saúde nas aldeias, cortes em convênios, falta de medicamentos, transportes e vacinas.

Alguns indígenas foram atingidos por gás lacrimogêneo e outros foram retirados à força pela Guarda Civil Metropolitana, que agiu com truculência.

O grupo chegou por volta das 9 horas. Eles dançaram e cantaram em frente ao prédio antes de ingressarem na sede da prefeitura.

Os indígenas divulgaram neta quinta-feira (28) um manifesto sobre suas reivindicações.

Vejam abaixo o documento:

Manifesto Guarani

Saúde Indígena

Nós, Guarani da T.I. Jaraguá, estamos na Prefeitura do Município de São Paulo, desde o dia de ontem, 27 de março, em defesa da saúde indígena.

Viemos exigir que o prefeito nos receba e dialogue com as nossas lideranças, caciques, líderes espirituais, mulheres e crianças que vieram da comunidade. Estamos em aproximadamente 300 indígenas, entre estes 300 indígenas, 45 guerreiros e guerreiras dispostos a defender a comunidade.

Ontem o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, disse que nos atenderia e não nos atendeu, passamos a noite aqui entre crianças, mulheres grávidas e idosos, no frio, ao relento, pois o prefeito estabeleceu um prazo de nos atender até 3ª feira da semana que vem.

Sabemos que o prefeito poderia ter nos atendido e conversado para que pudéssemos voltar para nossa aldeia, e contrário a isso adotou uma postura de total desrespeito com nosso povo, assim fomos destratados. Portanto, nós, guerreiros e guerreiras da T.I. Jaraguá, estamos aqui baixando as bandeiras hasteadas na Prefeitura de São Paulo, a meio mastro, simbolizando o luto da nossa vinda até aqui.

O juruá (homem branco) não entende a nossa dor, não respeita nosso lamento. O prefeito de São Paulo nos deu as costas sem nenhum parecer para nossa comunidade, por isso, estamos dispostos a derramar nosso sangue aqui para que essa morte não chegue à nossa aldeia.

Todos os guerreiros e guerreiras estão dispostos a entregar a própria vida pelo bem da saúde da comunidade. Nós Guarani, da T.I. Jaraguá, iremos enfrentar o que for preciso em defesa da nossa comunidade.

Chega de genocídio indígena, chega de morte das nossas crianças na T.I. Jaraguá, basta de opressão por parte do juruá. Até o último guerreiro iremos resistir. Estamos dispostos a entregar nossas vidas e assim faremos, porque não existe honra àquele que é covarde, que é mentiroso, que oprime, que é autoritário e despreza o mais fraco.

O prefeito, na condição de pai da cidade de São Paulo, deveria respeitar o povo Guarani, o último remanescente dessa cidade, como povo originário, mas nos está dando as costas.

Estamos aqui e não voltaremos para nossa comunidade sem o nosso direito reconquistado, exigimos esta audiência e vamos enfrentar qualquer investida da Prefeitura de São Paulo que, como fez ontem, deu ordem de ataque, contra nossas guerreiras e nossos guerreiros, fomos atacados com tiro de bala de borracha, spray de pimenta e cassetetes, atitudes altamente truculentas, mesmo assim resistimos e permanecemos aqui.

Hoje, estamos dispostos a derramar o nosso sangue, vai haver um banho de sangue em São Paulo e o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, será o responsável por todos os Guarani que estão dispostos a deixar suas vidas aqui. Será um marco de uma luta histórica e não sairemos enquanto não tivermos uma resolução positiva em relação a saúde indígena.

Aguyjevete a todo povo de luta, o povo Guarani em luto está em luta e nós resistiremos, ha’evete!

Assistam ao vídeo:

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum