Instituições de Justiça de SP e BA são beneficiadas com distribuição de recursos a portas fechadas

Plataforma Justa.org.br e Iniciativa Negra propõem emendas na Lei Orçamentária de 2021 de SP e da BA para vedar a distribuição de "cheques em branco" dos governos para o sistema de Justiça

Por Plataforma Justa.org.br* e Iniciativa Negra por uma Nova Política sobre Drogas**

Até o fim deste mês de dezembro está sendo votada por todo país a Lei Orçamentária Anual (LOA), em cada estado. A Plataforma Justa.org.br e a Iniciativa Negra por uma Nova Política sobre Drogas analisam, em levantamentos inéditos (em São Paulo e Bahia), a relação orçamentária do sistema de Justiça com governos estaduais e assembleias legislativas e propõem emendas nas LOAs para 2021, nestes estados. As organizações apontam que, ano após ano, as assembleias têm transferido para os governos uma de suas principais atribuições: a de debater e aprovar a abertura de créditos adicionais durante o ano.

Como regra, no segundo semestre, os governadores apresentam o projeto de orçamento, as assembleias legislativas o debatem e propõem mudanças antes que a proposta se torne lei. Assim, o orçamento estadual é definido para o ano seguinte, aprovando-se a LOA.

A LOA é estruturada a partir da expectativa de arrecadação do ano seguinte, mas, com a natural variação deste montante, o governo remaneja a distribuição dos recursos e essas mudanças também deveriam ser debatidas pelos deputados, como determinam as constituições estaduais da Bahia (Art. 160) e São Paulo (Art. 175). O inciso V do artigo 167 da Constituição Federal também proíbe o remanejamento orçamentário sem autorização legislativa.

Mesmo diante das vedações constitucionais, todos os anos as Leis Orçamentárias têm permitido que os governadores distribuam mais dinheiro do que o planejado, sem passar pela Assembleia. Aqui começam os problemas: ao autorizar a abertura de créditos adicionais diretamente pelo Executivo, a LOA, na prática, confere um “cheque em branco” para que os governadores negociem verbas públicas a portas fechadas, dialogando apenas com os setores interessados.

Em São Paulo, a LOA/2021 foi aprovada na última quinta-feira (17), sendo que o Art. 9 do projeto apresentado pelo governador foi mantido pelo Legislativo. Como resultado, o governo recebeu um “cheque em branco” para o próximo ano no valor de R$ 41,8 bi (17% do orçamento total de R$246,3 bi), o que corresponde a 42 vezes o orçamento aprovado para cultura, 46 vezes do aprovado para assistência social e uma vez e meia o orçamento da Saúde. Mesmo somando todos os valores destinados a atendimento hospitalar e ambulatorial (R$4,4 bi), habitação (R$961,8 mi), comércio e serviços (R$747,5 mi), indústria (R$7,4 mi), agricultura (R$1,5 bi), ciência e tecnologia (R$1,5 bi), saneamento (R$504 mi) e outras sete funções de inegável importância no orçamento estadual, ainda não se alcança os R$ 41,8 bi.

Na Bahia, a tramitação do projeto da LOA continua. Como apontam a Plataforma justa.org.br e a Iniciativa Negra, se a LOA/2021 for mantida como está (Art. 6), o “cheque em branco” para o próximo ano no estado será de R$ 14,5 bi (30% do orçamento total de R$48,4 bi), o que corresponde a quase o dobro de todo o previsto para a saúde, 85 vezes o previsto para cultura ou 58 vezes o destinado para assistência social. Somando os valores previstos para comércio e serviços (R$315,7 mi), habitação (R$65,2 mi), indústria (R$161 mi), trabalho (R$211,6 mi), transporte (R$669 mi), saneamento (R$727,8 mi), segurança pública (R$4,91 bi) e mais quatorze setores de investimento público, o valor de R$ 14 bi dos “cheques em branco” na Bahia também não é atingido.

Distribuição de recursos a portas fechadas para instituições de justiça é ainda mais grave

Publicidade

Com a possibilidade de os governos decidirem sozinhos quando e como distribuir os créditos adicionais, as discussões deixam de ser públicas, sem a transparência que as constituições estaduais e federal exigem. Quando isso acontece com o sistema de Justiça é ainda mais grave: os governos transferem, a portas fechadas, dinheiro a mais para as instituições que devem fiscalizar e julgar abusos e omissões do próprio Executivo.

Considerando os gastos de 2019, a Plataforma Justa.org.br e a Iniciativa Negra apontam a magnitude dos valores recebidos pelas instituições de justiça só como créditos adicionais: em São Paulo, as suplementações do último ano somaram R$ 1,33 bi, sendo R$ 1,17 bi para o Tribunal de Justiça (TJSP), R$ 155 mi para o Ministério Público (MPSP) e R$ 4,9 mi para a Defensoria. Estes valores correspondem a 8,6 vezes o orçamento total da TV Cultura, superam o orçamento total da FAPESP (R$ 1,31 bi) e são muito superiores aos orçamentos dos Hospitais de Clínicas: 31,8 vezes mais que o que o orçamento do HC de Marília, 4,8 vezes no caso do HC de Botucatu ou 2,5 vezes no caso do HC de Ribeirão Preto.

Publicidade

Com relação às folhas de pagamento, destaca-se que se somam aos valores recebidos como créditos adicionais pelas carreiras jurídicas os remanejamentos internos realizados pelas próprias instituições. Como resultado, temos que o TJSP gastou só com pessoal R$ 1,2 bi a mais do que o aprovado pela Assembleia (LOA/2019). No caso do MPSP este valor foi de R$ 249 mi e na Defensoria paulista R$ 13 mi. Ou seja: o Sistema de Justiça gastou, só com sua folha de pagamento, R$ 1,46 bi a mais do que previsto na LOA, o que corresponde a mais de duas vezes tudo que foi investido em habitação no Estado de SP em 2019 e a 85% a mais do investido em cultura. Na prática, a cada R$ 4,00 gastos com servidores da saúde, R$ 7,00 foram gastos com servidores da justiça.

O levantamento também destaca que receber mais do que o previsto na LOA não é a regra (áreas como cultura, segurança pública, assistência social, direitos da cidadania tiveram seus orçamentos reduzidos durante o ano) e que a priorização orçamentária das instituições de justiça pode ser observada no tempo: entre 2013 e 2019, enquanto o orçamento geral do Estado de São Paulo cresceu 30,4%, o orçamento do TJSP cresceu 51,7%, o do MPSP cresceu 57,3% e o da Defensoria 46,8%.

Entre 2013 e 2019, o orçamento anual da Bahia cresceu 42,8%, enquanto nas instituições de justiça a variação foi bem maior: 51,6% para o TJBA, 61,5% para o MPBA e 106% para a Defensoria. Em 2019, a cada 100 reais gastos pelo Governo da Bahia, R$7,62 foram para os membros do Sistema de Justiça. Com relação às suplementações, no ano passado o Sistema de Justiça recebeu R$143,5 mi, sendo R$98 mi para o Tribunal de Justiça, R$34,7 mi para o Ministério Público e R$10,8 mi para a Defensoria baiana. Por outro lado, este valor é próximo ao contingenciamento das quatro universidades estaduais (UEFS, UESC, UNEB e UESB), que juntas perderam R$144,6 mi. Na Bahia receber mais do que previsto na LOA também não é regra e outras áreas, como assistência social, ciência e tecnologia, habitação e saneamento tiveram, respectivamente, cortes de 1,5%, 48%, 38,6% e 47,8% do orçamento aprovado na LOA 2019.

“A negociação e a distribuição de verbas sempre devem ocorrer publicamente e a preocupação com a transparência é ainda maior quando falamos da abertura de créditos adicionais para as instituições de justiça. Não podemos seguir naturalizado a rotina convenientemente adotada pelos governos de distribuir, a portas fechadas, dinheiro para quem deveria fiscalizar e julgar seus atos e omissões”, afirma Luciana Zaffalon, criadora da Plataforma Justa.org.br, doutora em administração pública pela FGV/SP e pesquisadora convidada da The New School, em Nova York.

Para Dudu Ribeiro, coordenador da Iniciativa Negra e especialista em Gestão Estratégica de Políticas Públicas pela Unicamp, a falta de fiscalização pública do “cheque em branco” às carreiras jurídicas, que são predominantemente ocupadas e chefiadas por pessoas brancas, revela uma relação de cumplicidade e autopremiação entre instituições. “Esse tema tem uma conexão importante com a contínua distribuição de renda e de recursos entre as instituições embranquecidas do Estado brasileiro, que se autopremiam. Logo, a distribuição desigual de recursos que é uma distribuição racialmente desigual também tem a ver com o mecanismo das suplementações orçamentárias”, explica o pesquisador.

Como mudar este cenário?

A Plataforma Justa.org.br e a Iniciativa Negra propuseram que as assembleias legislativas da Bahia e de São Paulo revissem os Projetos de Lei Orçamentária para 2021 apresentados pelos governos estaduais, vedando a possibilidade de o Executivo diretamente abrir créditos adicionais para as instituições de justiça.

Na Bahia, as entidades continuam pressionando as deputadas e os deputados a aprovarem a proposta de emenda no plenário da LOA 2021. Com outras organizações, a Plataforma Justa.org.br e a Iniciativa Negra organizam uma campanha digital de pressão política.

Em São Paulo, a LOA foi enviada para debate e votação pelo plenário da ALESP no último sábado (12). As organizações lançaram a campanha digital de pressão política para que os cidadãos pudessem pressionar por mudanças. Contudo, a ALESP aprovou na noite da quinta-feira (17) a LOA 2021 com os os R$ 41,8 bi de “cheques em branco”.

*A Plataforma Justa.org.br é um projeto de pesquisa que se propõe a facilitar o entendimento e a visualização de dados do financiamento e da gestão do sistema de Justiça de maneira acessível e inovadora. A iniciativa visibiliza os impactos que a proximidade entre os Três Poderes – Executivo, Legislativo e Judiciário – pode ter na vida social e na organização democrática.

**A Iniciativa Negra é a primeira ONG negra que atua com advocacy para reforma da política de drogas no Brasil e tem como objetivo ampliar o debate nacional sobre as drogas e promover ações de advocacy em direitos humanos e reformas nas políticas públicas sobre o tema, com foco no combate ao racismo e diminuição de desigualdades promovidas por ele.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR