Fórumcast #19
08 de dezembro de 2015, 16h04

Jorge Mautner: “Vivemos a exuberância da democracia. Não tem base para impeachment”

Em conversa com a Fórum durante o "Emergências", no Rio de Janeiro, o músico e escritor filosofou sobre a relação entre cultura e política e disse acreditar que toda a discussão em torno de um afastamento da presidenta não passa de um "aprendizado" : "A democracia está firme no Brasil"

Em conversa com a Fórum durante o “Emergências”, no Rio de Janeiro, o músico e escritor filosofou sobre a relação entre cultura e política e disse acreditar que toda a discussão em torno de um afastamento da presidenta não passa de um “aprendizado” : “A democracia está firme no Brasil”

Por Ivan Longo, do Rio de Janeiro

Jorge Mautner, no auge de seus 74 anos, se comporta como um jovem entusiasta quando analisa o cenário político e cultural do país. Com uma vida inteira dedicada à música e à militância socialista – com um exílio durante o regime militar dos anos 70 no currículo -, o “filho do Holocausto” acredita que ainda que seja perceptível o avanço de forças conservadoras no cenário político do país, qualquer discussão sobre o afastamento da presidenta Dilma Rousseff não passa de um “aprendizado”, já que, segundo ele, estamos vivendo a “exuberância da democracia”.

“Estamos na exuberância da democracia! O impeachment é um instrumento democrático, de exceção, mas não é o caso. Tivemos três mulheres candidatas: a primeira guerrilheira da democracia, Dilma Rousseff; Marina Silva Jesus de Nazaré Amazônia; Luciana Genro com grande votação e o Aécio, até o Aécio tem afinidades com o Tancredo Neves e o partido dele é signatário da segunda internacional. Então, na realidade nunca tivemos tanta exuberância. Essa discussão toda de impeachment é didatica, é ensinamento para as pessoas”, disse o cantor em conversa com a Fórum nos bastidores do “Emergências” – evento que debaterá cultura e política até o próximo domingo (13) no Rio de Janeiro –  no final da tarde desta segunda-feira (7).

Veja também:  No Rio, 40 mil protestam contra desmonte da educação pública e em defesa da Petrobrás

“Eu acho que a democracia está firme no Brasil, os direitos humanos são respeitados e isso tudo que está havendo são aulas didáticas para todo mundo aprender o que é a jurisprudência. Sou contra. Não tem base para impeachment. Mas essa discussão toda faz parte da democracia”, completou o compositor que, apesar de não participar de nenhuma mesa de discussão do evento ao longo da semana, foi até o Circo Voador para acompanhar o discurso de abertura feito pelo ministro da Cultura, Juca Ferreira, que tocou exatamente nos pontos do avanço conservador e das tentativas de “golpe” ao longo de sua fala.

Com relação ao “Emergências” em específico, que pretende ser um evento que pensará e repensará as relações entre política e cultura e seus efeitos, Mautner não economizou seu conhecimento histórico e seu tom filosófico para explicar que o evento sintetiza o multiculturalismo e a diversidade que o país carrega e que a “simultaneidade” nos permitiu chegar a um momento inédito na história da humanidade.

“Temos que injetar a amálgama do Brasil: essa amálgama nossa que foi José Bonifácio de Andrade Silva (poeta brasileiro) quem, em 1823, nos definiu: diferente de outros povos e culturas, nós somos a amálgama, tão difícil de ser feita. Não existe em outro lugar do mundo: o multiculturalismo, a diversidade. Só para dizer da instantaniedade da amálgama: os japoneses chegaram na década de 60 em São Paulo e imediatamente a Umbanda criou o orixá Samurai. Então, tem que injetar essa amálgama nos neurônios de todos os seres humanos”, filosofou, ao ser perguntado sobre o encontro de culturas e vivências distintas que se fazia presente no evento.

Veja também:  Maria do Rosário apresenta projeto para derrubar decisão de Bolsonaro de suspender radares móveis

“A simultaneidade se acentuou cada vez mais na História. Um tempo muito antigo em que essa simultaneidade entre cultura e politica é interessantíssima. No Império, só existia maracatu de baque quebrado. Eles mimetizavam o Império. Então, só cidadãos e cidadãs de etnia negra podiam participar. Mulato, cafuso, mameluco, índio e branco não podiam. Foi quando se proclamou a Republica e imediatamente surgiu o baque solto. Aí pode entrar o índio. Marx, em 1848 no Manifesto Comunista disse que a grande novidade é a comunicação. Então imagina hoje em que são transmitidas emoções e as neurociências já provaram que todos os nossos neurônios são pura emoção. Então, a informação é emoção, comunicação é comunhão. E aí, então, chegamos em um momento inédito da história”, completou.

Foto: Vladmir R./Agência Brasil


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum