O que o brasileiro pensa?
28 de janeiro de 2020, 21h02

Jornalista é suspensa por tuíte no qual recorda denúncia de estupro contra Kobe Bryant

Apesar de não fazer nenhuma opinião pessoal sobre a matéria, a simples recordação do caso por parte da jornalista do Washington Post foi o suficiente para provocar a ira dos leitores do diário, a ponto de muitos organizarem uma campanha pela demissão da repórter

Foto: Divulgação

Felicia Sonmez é uma jornalista estadunidense do Washington Post. No domingo (26), horas depois da morte trágica de Kobe Bryant, ela publicou um tuíte com um link de uma matéria que contava sobre o caso de estupro que supostamente envolveria o basquetebolista, ocorrido há mais de 15 anos, junto com uma mensagem que reproduzia o título da reportagem: “O impactante caso de estupro de Kobe Bryant: a evidência de DNA, a história da acusadora, e a meia-confissão”.

Apesar de não fazer nenhuma opinião pessoal sobre a matéria, a simples recordação do caso por parte da jornalista foi o suficiente para provocar a ira dos leitores do diário, a ponto de muitos organizarem a campanha #FireFeliciaSonmez, para pedir que ela fosse despedida, acusando-a de ser “insensível” e “sem vergonha” – sem contar os tradicionais insultos machistas.

E a pressão teve algum resultado: o jornal não mandou Sonmez embora, mas a suspendeu temporariamente. Mas a onda de críticas e insultos não parou após a suspensão da jornalista, que teve que apagar os tuítes – tanto o original quanto os que publicou depois explicando seus motivos para recordar aquela matéria – após algumas ameaças de morte que recebeu.

O tuíte de Felicia Sonmez, que foi apagado após chuva de críticas e até ameaças de morte por parte dos leitores (Foto: reprodução)

O caso de estupro recordado por Sonmez aconteceu em 2003, quando Bryant tinha 24 anos e foi acusado de agredir sexualmente a jovem Katelyn Faber, empregada de um spa em Colorado, onde o jogador estava alojado, durante a recuperação de uma cirurgia no joelho. O atleta foi absolvido da acusação depois que a vítima se recusou a depor contra ele.

Notícias relacionadas


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum