Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
14 de dezembro de 2016, 13h46

José Yunes, que teria recebido a propina para Temer, pede demissão

Esta é a primeira baixa em consequência das delações da Odebrecht. Outras são esperadas enquanto vários setores da sociedade exigem a renúncia do presidente.

Esta é a primeira baixa em consequência das delações da Odebrecht. Assessor foi citado também por Eduardo Cunha em duas perguntas que tentou fazer a Temer e que o juiz Moro não deixou.

Da Redação

José Yunes, assessor especial da Presidência da República, pediu demissão na tarde desta quarta-feira (14). A demissão do assessor, que é amigo de Temer há 50 anos, acontece dias depois do vazamento de delação do ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht Claudio Melo Filho, que foi confirmada por Marcelo Odebrecht em depoimento na segunda-feira passada (12).

De acordo com o executivo da Odebrecht, Yunes foi o intermediário da propina de R$ 10 milhões para campanha do PMDB em 2014. O dinheiro teria sido pedido pessoalmente por Temer a Marcelo Odebrecht no Palácio do Jaburu.

Em carta, Yunes disse que entregou cargo para “preservar dignidade e manter acesa chama cívica que me faz acreditar nos imensos potenciais de meu país”. O amigo de Temer diz ainda que “Nos últimos dias, Senhor Presidente, vi meu nome jogado no lamaçal de uma abjeta delação, feita por uma pessoa que não conheço”.

A relação promíscua entre Yunes e o presidente já havia sido insinuada nas perguntas que  Eduardo Cunha tentou fazer a Temer: “Qual sua relação com Sr. José Yunes?” Yunes já “recebeu alguma doação o de campanha?”, tentou perguntar Cunha a Temer, no processo em que o presidente foi sua testemunha de defesa. O juiz Sérgio Moro, da Lava Jato, barrou 21 das 41 perguntas feitas pelos advogados de Cunha, essas duas inclusive. O motivo: considerou parte das questões inapropriadas ou sem pertinência com o objeto da ação penal.

São esperadas para breve outras baixas. Pela manhã, o secretário-executivo do governo Moreira Franco desmente em nota boatos de que estaria deixando o governo: “Estou dedicado a colaborar no lançamento das medidas microeconômicas e no fortalecimento do programa de concessões. Não abandono lutas quando acredito nelas”.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum